As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Torre de Babel

Lucas Nobile

04 Julho 2006 | 16h39

Foi engraçado acompanhar as entrevistas coletivas de Portugal e França, nesta terça-feira, em Munique, onde as duas seleções se enfrentam na quarta pela semifinal da Copa.

Primeiro, na entrevista do brasileiro Felipão, técnico de Portugal, seriam 15 minutos de perguntas em português e mais 10 em inglês. Quem queria respostas em inglês ficou esperando o momento para fazer a pergunta, enquanto o pessoal que fala português não parou de questionar.

Aí, acabou o tempo e não houve uma pergunta/resposta sequer em inglês. Para revolta dos jornalistas que não falam português.

Na seqüência, o zagueiro francês Gallas deu sua entrevista coletiva. Como ele joga no Chelsea, da Inglaterra, um jornalista lhe perguntou em inglês e pediu uma resposta no mesmo idioma. “Não falo inglês tão bem”, disse o jogador, pedindo a ajuda de um tradutor.

No final, foi o tradutor da Fifa quem salvou grande parte dos jornalistas, ajudando quem não entendia português ou francês.