2021 deve definir o futuro de Esquiva Falcão e Robson Conceição

Medalhistas olímpicos precisam ser testados diante de bons rivais para terem uma chance de disputar um título mundial

Wilson Baldini Jr.

01 de janeiro de 2021 | 12h43

 

Dois dos principais nomes do boxe nacional, Esquiva Falcão e Robson Conceição deverão ter um ano de 2021 decisivo para suas carreiras. Medalhistas olímpicos e com contrato com a empresa Top Rank, os dois boxeadores precisam ser testados diante de bons rivais para terem uma chance de disputar um título mundial.

Com quase sete anos de carreira profissional, Esquiva está ranqueado em três das principais organizações que dirigem o boxe internacional e invicto após 27 lutas. Vai lutar contra o russo Artur Akavov, em 20 de fevereiro. Um bom adversário, mas ainda abaixo do que é preciso para realmente testar o brasileiro.

Chegou a hora de Esquiva enfrentar um adversário ranqueado entre os 15 primeiros, um ex-campeão. Sabemos que é complicado não ter o  dinheiro de patrocinadores, mas esse não é um problema enfrentado apenas por Esquiva. Todos os outros grandes boxeadores brasileiros passaram pelo mesmo obstáculo e conseguiram superar.

Robson é profissional desde 2016, mas tem como parceira a medalha de ouro na Olimpíada do Rio, o que pode e deve ser usada como aliada para pressionar Bob Arum a conseguir boas lutas. É verdade que as lesões e as cirurgias nas mãos, além da pandemia atrapalharam, mas o boxeador baiano mostrou estar com “fome” ao obter grande vitória sobre Luis Coria, em outubro.

Antes de buscar um duelo por título mundial como chegou a ser ventilado diante de Emanuel Navarrete, melhor encarar, assim como Esquiva, lutadores renomados. Grandes vitórias elevam o patamar do lutador e superam qualquer obstáculo financeiro.

Tudo o que sabemos sobre:

boxeEsquiva FalcãoRobson Conceição

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.