Anthony Joshua destaca ‘humildade’ para vencer Andy Ruiz. E espera por Usik, Pulev, Fury, Wilder…

Anthony Joshua destaca ‘humildade’ para vencer Andy Ruiz. E espera por Usik, Pulev, Fury, Wilder…

Inglês recuperou os cinturões da AMB, FIB e OMB, ao vencer por pontos, após 12 assaltos, em decisão unânime dos jurados, na Arábia Saudita

Wilson Baldini Jr.

08 de dezembro de 2019 | 00h03

Reuters

 

Anthony Joshua afirmou que a derrota sofrida em 1.º de junho o ajudou a vencer Andy Ruiz Jr., neste sábado, na Arábia Saudita. Ainda sob o ringue, após ganhar, por pontos, em decisão unânime dos jurados, após 12 assaltos, o britânico afirmou ter sido ‘humilde’ para aceitar mudar a tática e derrotar o mexicano.

“Eu sou um cara acostumado a nocautear meus adversários. Tive de aprender a ser humilde, mudar minha tática e lutar de forma diferente para derrotar Ruiz”, disse o inglês, referindo-se ao estilo de luta a longa distância, que inibiu o rival a lutar no corpo-a-corpo.

“Eu tenho de respeitar o Ruiz, o primeiro mexicano campeão dos pesos pesados”, afirmou Joshua, que aceita ter um terceiro confronto. “Muita gente disse que eu tinha de desistir por causa de uma derrota, mas eu estou aqui vitorioso novamente”, disse o lutador, com um enorme sorriso no rosto.

Apesar de falar em uma terceira luta com Ruiz, Joshua não descartou a possibilidade de enfrentar outros adversários em 2020. Logo após a luta, Paco Valcarcel, presidente da Organização Mundial de Boxe (OMB), ordenou uma defesa de título obrigatória contra o ucraniano Oleksandr Usyk, primeiro colocado no ranking da entidade. “Então vamos fazer isso”, limitou-se a dizer o inglês, ao ser perguntado na entrevista coletiva.

O búlgaro Kubrat Pukev, primeiro colocado no ranking da Federação Internacional de Boxe (FIB), também pediu que seja o próximo adversário do campeão por intermédio das redes sociais. Mas como tudo gira em torno do dinheiro, uma grande possibilidade é que Joshua enfrente o vencedor entre o norte-americano Deontay Wilder (campeão pelo Conselho Mundial de Boxe) e o britânico Tyson Fury, que lutam em 22 de fevereiro, em Las Vegas.

“Adoraria fazer uma luta por unificação do cinturão mundial”, disse Joshua, que reúne os títulos da FIB, OMB e AMB (Associação Mundial de Boxe). O campeão possui um cartel de 23 vitórias (21 nocautes) e uma derrota. Ruiz soma duas derrotas, em 35 lutas (22 nocautes).

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.