Boxe (lutas) faz parte da história das olimpíadas. Futebol, não!

Boxe (lutas) faz parte da história das olimpíadas. Futebol, não!

A luta faz parte dos Jogos desde 2.500 a.C., quando, segundo a mitologia grega, Hércules decidiu inaugurar um festival esportivo em Olímpia, em homenagem a seu pai, Zeus

Wilson Baldini Jr.

04 de agosto de 2021 | 18h38

 

Em época de olimpíada, todo mundo se acha em condições de fazer análises mirabolantes sobre todas as modalidades esportivas. Depois de domingo, só vão se aventurar de novo em 2024.

Nesta semana, mais uma vez, levantaram a questão de banir o boxe e as lutas em geral dos Jogos Olímpicos. “Faz sentido continuar distribuindo medalha para uma pessoa agredir a outra?” Ou “a humanidade vai atingir civilização plena quando o boxe for proibido”. Foram as teses apresentadas.

Ninguém pode dizer que o boxe, judô, tae kwon do, karatê, luta greco-romana, wrestling não seja violentos, perigosos ou agressivos. Usam como exemplos de campeões que ficaram doentes sempre os mesmos exemplos: Muhammad Ali e Eder Jofre. O primeiro foi diagnosticado com o Mal de Parkinson aos 42 anos e após ser submetido a dezenas de exames nunca se soube se as pancadas na cabeça poderiam ter sido as reais causadoras do problema. No caso de Eder Jofre, teve uma vida saudável por quase 80 anos. O Pelé não anda mais. Vamos banir o futebol?

Se no boxe profissional, que gera milhões de dólares, euros ou libras para seus praticantes nunca se registrou uma grave lesão em duelos válidos por título mundial dos pesos pesados (principal categoria), muito menos no boxe olímpico, muito mais rígido em seus regras de segurança. Quando tivemos uma lesão grave no boxe olímpico?

A luta faz parte dos Jogos desde 2.500 a.C., quando, segundo a mitologia grega, Hércules decidiu inaugurar um festival esportivo em Olímpia, em homenagem a seu pai, Zeus.

Entre os esportes praticados estavam as corridas, chamadas de drómos, e suas modalidades, além doo péntatlhon (semelhante ao pentatlo atual), que reunia cinco esportes (salto, lançamento de disco, lançamento de dardo, corrida e luta, que tinha suas variáveis.

A palé, que era algo parecido da atual luta greco-romana, sem socos e pontapés. O pýgme pode ser comparado ao pugilato (boxe) atual, mas mais agressivo. E tinha também o pancrácio, que consistia em uma espécie de “vale-tudo”, que incluía cotoveladas, joelhadas, torções e cabeçadas.

O judô, tae kwon do, karatê são artes marciais, que vieram do kung fu, criado por monges, que se guiaram pelos movimentos de animais. Foram usados para a proteção de suas aldeias.

Enfim, vamos continuar distribuindo medalha para atletas que lutam com outros atletas, assim como faziam os antigos gregos. E banir aquelas modalidades que nada têm a ver com o espírito olímpico. O futebol, com sua soberba, empáfia e pequenez olímpica, é uma ótima opção.

Tudo o que sabemos sobre:

boxe#Tokyo2020

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.