Canelo descarta Demetrius Andrade e diz que só luta com GGG pela 3.ª vez por muito dinheiro

Mexicano luta dia 2 de novembro, em Las Vegas, contra o russo Sergey Kovalev pelo título mundial dos meio-pesados. DAZN vai transmitir

Wilson Baldini Jr.

11 de outubro de 2019 | 11h08

 

O mexicano Saul Canelo Alvarez disparou críticas da mesma que forma que costuma fazer com cruzados, ganchos e diretos, nesta quinta-feira, durante entrevista coletiva. Seus alvos foram os possíveis adversários, após a luta de 2 de novembro, em Las Vegas, contra o russo Sergey Kovalev, pelo cinturão dos meio-pesados da Organização Mundial de Boxe (OMB).

“Eu só vou aceitar uma terceira luta com GGG se for um grande negócio. Se for para ganhar muito dinheiro. Essa trilogia não significa nada para mim. Em sua última luta (contra Derevyanchenko, sábado passado), ele não foi bem e para mim perdeu o combate”, disse Canelo, que descartou uma luta com o norte-americano Demetrius Andrade, dono do título dos médios da OMB.

“Ele não é um verdadeiro desafiante. Nunca lutou com ninguém importante. E, além do mais, suas lutas são muito chatas. Se lutar com ele, serei vaiado, pois as pessoas não gostam de seu jeito lex nelo x Kovade lutar”, afirmou o mexicano, que ostenta cinturões entre os médios e supermédios. Ele também foi campeão entre os médios-ligeiros.

Canelo não quis adiantar o que pretende fazer após Kovalev. “Poderei lutar como médio, supermédio ou meio-pesado. Por enquanto, minha concentração é apenas na luta do dia 2 de novembro”, disse o astro, que revelou como pretende vencer Kovalev.

“Ele é um grande pegador e golpeia muito bem, mas não gosta de ser castigado na linha de cintura. Ali poderá ser o caminho para a minha conquista na quarta categoria”, disse o pugilista, de 29 anos, que soma 52 vitórias (35 nocautes), uma derrota e dois empates.

Canelo x Kovalev, dia 2 de novembro, terá transmissão do DAZN, com quem o boxeador mexicano assinou um contrato de US$ 365 milhões para fazer 11 lutas. Esta será a terceira.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.