DAZN e Sky Sports têm prejuízo de 13 milhões de pessoas na audiência de Joshua x Ruiz por causa de pirataria

DAZN e Sky Sports têm prejuízo de 13 milhões de pessoas na audiência de Joshua x Ruiz por causa de pirataria

Só na Grã-Bretanha 921.994 pessoas viram o combate entre os pesos pesados de forma ilegal, causando perda de R$ 100 milhões

Wilson Baldini Jr.

10 de junho de 2019 | 08h39

foto: Reuters

 

A luta entre o britânico Anthony Joshua e o mexicano Andy Ruiz Jr., realizada no último dia 1º, em Nova York, foi a mais pirateada da Grã-Bretanha. Segundo MUSO, empresa global de tecnologia que fornece soluções antipirataria, analíticas de mercado e conexões de audiência, 921.994 pessoas viram o combate de forma ilegal. Ou seja: não pagaram para ver pelo Sky Sports, que teve um prejuízo de 20 milhões de libras (cerca de 100 milhões).

“A luta Joshua x Ruiz foi a maior audiência não autorizada que já acompanhamos e é impressionante ver que 93% da audiência assistiu via YouTube”, disse o MUSO, por um comunicado. Na Nigéria, país de origem dos pais de Joshua, 2,250 milhões viram de forma irregular, registrando o maior índice de pirataria. O Quênia ficou com 998.627 pessoas vendo o duelo sem pagar. No total, 13 milhões de pessoas em todo o mundo viram a luta por intermédio de transmissões irregulares na internet.

Os números do DAZN, empresa de streaming, que transmitiu o duelo para os Estados Unidos e também para o Brasil, não foram divulgados, mas a venda de assinaturas (US$ 20 o mês ou US$ 100 o ano, no EUA, e R$ 37,90 mês) também foi prejudicada.

No DAZN, o boxe é o carro-chefe entre todos os muitos esportes transmitidos pela plataforma. O mexicano Saúl Canelo Álvarez se tornou o atleta mais bem pago do mundo, ao assinar um contrato de 11 lutas por US$ 365 milhões. Restam nove duelos. O orçamento anual da empresa apenas com a nobre arte atinge US$ 200 milhões.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.