Diário Olé critica boxeador argentino que treina com Patrick Teixeira para luta com Brian Castano

'De que lado você está, rapaz?', perguntou o jornal esportivo, ao referir-se a Marcelino Nino López, sparring do brasileiro no treinamento para o duelo de 13 de fevereiro

Wilson Baldini Jr.

26 de janeiro de 2021 | 10h55

 

O diário Olé criticou boxeador argentino Marcelino Nino López por treinar com Patrick Teixeira para luta com Brian Castano, dia 13 de fevereiro, em Indio, na Califórnia. Os dois chegaram a postar uma foto nas redes sociais.

‘De que lado você está, rapaz?’, perguntou o jornal esportivo, ao referir-se ao pugilista argentino, que tem um cartel de 36 vitórias, duas derrotas e um empate. Ele é apenas um dos lutadores utilizados como sparring pelo brasileiro em seus treinos nos Estados Unidos. O norte-americano Gabriel Rosado é outro que trabalha com o campeão mundial dos médios-ligeiros da Organização Mundial de Boxe.

Patrick x Castano é evento do DAZN e terá transmissão ao vivo para o Brasil. O lutador está nos Estados Unidos, onde intensifica seus treinamentos. Na semana passada, Patrick teve a visita de Robert Diaz e Eric Gomez, chefões da Golden Boy Promotions, empresa de Oscar De La Hoya, com quem o lutador brasileiro tem contrato.

Por causa da pandemia, Patrick teve problemas para conseguir o visto norte-americano no ano passado. Com isso, o boxeador correu até o risco de perder o cinturão, mas com intenso trabalho do manager Patrick Nascimento o duelo foi adiado a tempo do boxeador obter o documento.

Patrick ganhou o cinturão em 30 de novembro de 2019, quando venceu a eliminatória do cinturão diante do dominicano Carlos Adames, em Las Vegas, por pontos, após 12 rounds sensacionais. Ele soma 30 vitórias (22 nocautes) e apenas uma derrota.

Castano, de 30 anos, está invicto, com 16 vitórias, 12 por nocaute e um empate, frente ao cubano Eryslandy Lara. Ele é o primeiro do ranking da Organização Mundial de Boxe.

 

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

boxePatrick TeixeiraBrian Castaño

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.