Em noite de Rocky Marciano, Tyson Fury sobrevive a enorme corte no supercílio e continua invicto

Em noite de Rocky Marciano, Tyson Fury sobrevive a enorme corte no supercílio e continua invicto

Inglês precisou mudar estilo, trocar golpes os 12 assaltos e ter "coração" para derrotar Otto Wallin, em decisão unânime dos jurados, na T-Mobile Arena. em Las Vegas

Wilson Baldini Jr.

15 de setembro de 2019 | 05h55

Mikey Williams – Top Rank

 

Foi dramática e sangrenta a vitória de Tyson Fury sobre Otto Wallin, por pontos, após 12 assaltos, neste sábado, na T-Mobile Arena. em Las Vegas. Com um imenso corte no supercílio direito, aberto no terceiro assalto, o peso pesado inglês precisou mudar seu estilo e trocar golpes o tempo todo para manter a invencibilidade na carreira, que atinge agora 30 lutas (29 vitórias e um empate).

Os três jurados apontaram vitória de Fury (118-110, 117-111 e 116-112), que correu o risco de perder a luta por nocaute técnico, caso o médico tivesse parado o combate, pois o corte foi fruto de um cruzado de esquerda de Wallin. Ao final da luta, o inglês festejou a Independência do México e desafiou o norte-americano Deontay Wilder, campeão pelo Conselho Mundial de Boxe. Os dois devem se enfrentar em fevereiro do ano que vem.

Aos 31 anos, Fury ganhou US$ 12,5 milhões, enquanto Wallin, de 28 anos, recebeu US$ 1 milhão, em sua primeira derrota após 21 duelos..

Depois de entrar no ginásio com sombrero e com as cores no México no roupão e nas luvas, Fury iniciou o combate na longa distância, ao utilizar seus poderosos jabs. Valente, Wallin procurou encurtar o espaço, ao lançar ganchos perigosos. Um deles, de esquerda,  acertou em cheio o supercílio de Fury, que passou a jorrar sangue.

A partir daí, o trabalho do cutman Jorge Capetillo foi intenso nos intervalos dos rounds, assim como o do técnico Ben Davison. No sexto assalto, o juiz Tony Weeks pediu para o médico analisar o estado de Fury e a luta prosseguiu. Neste instante, se a decisão fosse parar a luta, Fury perderia por nocaute técnico, pois a Comissão Atlética de Nevada, corretamente, havia decidido que o corte havia sido ocasionado por um golpe, após analisar o vídeo.

Visivelmente incomodado com o constante sangramento, Fury mudou a forma de lutar, passou a dominar o ringue, iniciar todas as trocas de golpe e vencer os rounds. Do sétimo ao 11º assalto, o inglês sempre colocou o adversário sueco pelo menos uma vez em má situação para delírio dos 8.249 fãs presentes ao combate.

O azarão Wallin, que pagava 30 por 1 na bolsa de apostas, ainda chegou a ameaçar no 12º e último round, ao conectar mais uma bela esquerda, que fez Fury terminar a luta com o rosto totalmente ensaguentado, lembrando o lendário Rocky Marciano.

“Foi um bom desempenho. Consegui bons 12 rounds”, disse Fury. “Foi uma grande luta. Tive um corte e mudei a luta completamente. Não conseguia enxergar e houve muitos confrontos na curta distância. Mas sou o ‘Guerreiro Cigano’ e este é o Dia da Independência do México! Viva Mexico! ”

Fury foi até o vestiário de Wallin para parabenizá-lo pelo combate, mas não compareceu à entrevista coletiva, pois foi direto para o hospital tratar das lesões. “Foi preciso coração e determinação. Ele (Wallin) é um cara durão. Eu bati nele no queixo e no corpo, mas ele continuou vindo em cima de mim”, elogiou Fury, que ainda lembrou da morte do pai do adversário, ocorrida em maio. “Que ele descanse em paz e orgulhoso do filho.”

 

Tudo o que sabemos sobre:

boxeTyson FuryOtto WallinDeontay Wilder

Tendências: