Há 60 anos, Cassius Clay ganhava a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Roma

Há 60 anos, Cassius Clay ganhava a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Roma

Aos 18 anos, o jovem boxeador mostrou todo o seu talento que o transformaria em um dos maiores nomes da nobre arte em todos os tempos

Wilson Baldini Jr.

06 de setembro de 2020 | 00h00

 

Em 5 de setembro de 1960, Cassius Marcellus Clay Jr. ganhava a medalha de ouro na categoria dos meio-pesados na Olimpíada de Roma-1960. Aos 18 anos, o norte-americano mostrou um talento incomum, ao bailar sobre o ringue, se esquivar dos golpes adversários e atacar com grande precisão.

Foram quatro vitórias até subir no lugar mais alto do pódio. Clay venceu o belga Yvon Becot (BEL) por decisão do árbitro no 2º assalto, passou pelo russo Gennadiy Shatkov, eliminou o australiano Anthony Madigan e o polonês Zbigniew Pietrzykowski. Foram três vitórias por pontos, com decisão unânime (5 a 0) dos jurados.

Depois do ouro olímpico, Clay passou a ter carreira profissional e fez sua estreia em 29 de outubro de 1960, com vitória sobre Tunney Hunsaker. Tornou-se campeão mundial pela primeira em 1964 e depois passou a usar o nome muçulmano Muhammad Ali.

Ficou com o título até 1967, quando se recusou a servir o exército norte-americano na Guerra do Vietnã. Após três anos de suspensão voltou a lutar e recuperou o cinturão em 1974. Perdeu em 1978 e se sagrou campeão mais uma vez no mesmo ano.

Parou de lutar em 1981, foi diagnosticado com Doença de Parkinson em 1984 e morreu em 2016, aos 74 anos. Ali não foi apenas um dos maiores nomes da nobre arte em todos os tempos. Ele foi o esportista mais importante da história.

 

Tudo o que sabemos sobre:

boxeCassius ClayMuhammad Ali

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.