Hebert Conceição soma mais uma vitória para o boxe brasileiro em Tóquio

Hebert Conceição soma mais uma vitória para o boxe brasileiro em Tóquio

Peso médio derrota o chinês Erbieke Tuoheta, por pontos, em decisão dividida dos jurados, por 3 a 2

Wilson Baldini Jr.

29 de julho de 2021 | 10h23

 

Tokyo 2020 Olympics – Boxing – Men’s Middleweight – Last 16 – Kokugikan Arena – Tokyo, Japan – July 29, 2021. Hebert Sousa of Brazil wins the fight against Tanglatihan Tuoheta Erbieke of China. REUTERS/Ueslei Marcelino

Hebert Conceição estreou com vitória no torneio de boxe dos Jogos Olímpicos de Tóquio, nesta quinta-feira, ao vencer o chinês Erbieke Tuoheta, por pontos, em decisão dividida dos jurados, por 3 a 2. Dois deram pontuação a favor do brasileiro (30 a 27 e 29 a 28 duas vezes), enquanto outros dois apontaram o asiático como vencedor (29 a 28).

Hebert, medalha de bronze no Mundial de 2019 e prata no Pan-Americano de Lima no mesmo ano, volta a lutar pelas quartas de final no domingo, diante de Abilkhan Amankul, do Casaquistão. Uma nova vitória vai garantir ao boxeador nacional pelo menos a medalha de bronze, pois no boxe não há a disputa pelo terceiro lugar.

Hebert, baiano de Salvador, 23 anos, começou muito bem a luta. Não se intimidou com a troca de golpes intensa proposta pelo adversário desde o início do combate. Com um jab bem calibrado e muita velocidade nos punhos, o brasileiro foi melhor nos primeiros três minutos.

No segundo assalto, o chinês veio ainda mais agressivo e não deu espaços para Hebert, que ainda assim foi muito bem nos contra-ataques e conseguiu equilibrar a disputa.

O último round foi emocionante. Tuoheta foi para o ataque, mas não suportou o ritmo, enquanto o brasileiro, mais uma vez, mostrou um arsenal bem variedade de golpes e até usou a guarda de canhoto para complicar as ações do rival.

FEMININO – Graziele Jesus perdeu, nesta quinta-feira, para a japonesa Tsukimi Namiki, na primeira rodada da categoria mosca (até 51kg) e está fora dos Jogos Olímpicos de Tóquio. A decisão dos cinco jurados foi unânime: 30 a 27 (três vezes) e 29 a 28 (duas).

Esta foi a segunda derrota do boxe brasileiro na Olimpíada, pois Jucielen Romeu também foi eliminada na segunda-feira, após derrota para a britânica Karriss Artingstall.

Muito rápida, Namiki adotou uma postura de circular Graziele e atacar com vários golpes. A forma diferente de lutar pareceu surpreender a brasileira, que demorou a tomar uma atitude e acabou perdendo o primeiro assalto na opinião dos cinco jurados.

No segundo assalto, a brasileira pelo menos teve sucesso ao impedir o avanço da lutadora asiática e também utilizou os clinches para evitar sofrer ataques na curta distância. Os jurados gostaram da produção de Graziele e três deles deram a vitória no round para a boxeadora brasileira.

O terceiro assalto voltou a ter o mesmo panorama do primeiro, com Graziele dando a impressão de cansaço por causa do forte ritmo da luta. A japonesa, apesar do boxe feio, mereceu a vitória pela iniciativa. Para Graziele, faltou devolver o ataque sofrido, principalmente, durante o primeiro e o último round.

Tudo o que sabemos sobre:

boxe#Tokyo2020

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.