Joshua e Wilder: no boxe, Nova York é maior que Londres e Las Vegas

Joshua e Wilder: no boxe, Nova York é maior que Londres e Las Vegas

Empresários negociam luta de unificação dos pesos pesados. O melhor local será o Madison Square Garden, em Nova York

Wilson Baldini Jr.

11 de abril de 2018 | 10h16

 

O empresário Eddie Hearn, que cuida da carreira do britânico Anthony Joshua, ofereceu US$ 12,5 milhões para o norte-americano Deontay Wilder aceitar uma luta de unificação pelo título mundial dos pesos pesados. Pouco dinheiro. As negociações estão apenas no começo.

Os ingleses querem que o duelo seja em Wembley, diante de 90 mil pessoas. O staff de Wilder acha que Las Vegas possa ser mais interessante.

O melhor seria Nova York. No tradicional Madison Square Garden. O maior palco do boxe mundial. Lá está o público que mais entende de boxe no mundo. O clima faz os amantes do boxe voltarem no tempo de Jack Dempsey, Jake La Motta, Marcel Cerdan, Rocky Marciano, Joe Louis e tantos outros.

O segundo melhor lugar do boxe no mundo é na Inglaterra. Mais precisamente em Londres. O torcedor inglês torna qualquer luta em um evento espetacular. Cada golpe é festejado como um gol.

Depois vem Las Vegas, que chama a atenção por exigir pagamento pequeno de imposto por parte dos lutadores, mas possui uma plateia “nutella”. Se submete a pagar ingresso caro e está ali apenas pelo evento.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: