Joshua vence mais uma, soma outro cinturão, mas se lutar assim… perde para Wilder

Joshua vence mais uma, soma outro cinturão, mas se lutar assim… perde para Wilder

A categoria dos pesados voltou ao noticiário, mas ainda está longe de relembrar seus áureos momentos.

Wilson Baldini Jr.

31 de março de 2018 | 22h38

 

Anthony Joshua aumentou ainda mais sua popularidade e notoriedade, ao vencer Joseph Parker e acumular também o cinturão da Organização Mundial de Boxe. Agora, o britânico acumula três títulos, pois já era o campeão pela Associação Mundial e Federação Internacional de Boxe. O invicto boxeador soma 21 vitórias.

Desta vez, Joshua precisou dos 12 roundes e pela primeira vez ouviu a decisão dos jurados, que foram unânimes em apontá-lo como o vencedor do combate, diante de 80 mil espectadores em Cardiff, País de Gales. O invicto boxeador soma 21 vitórias.

Mas o medalha de ouro nos Jogos de Londres-2012 não esteve bem. Apesar de mais leve (109 quilos), foi ao caminhar no ringue, seus jabs demoravam uma semana para atingir o alvo, limitou-se a aplicar diretos na cabeça do adversário e pouco atingiu a linha de cintura.

Joshua foi burocrático, apresentou um boxe primário e ainda foi atingido algumas vezes com perigo por Parker, que é um lutador nota 5,5 na história dos pesados.

Esperava-se que Joshua melhorasse tecnicamente com a proximidade de uma luta contra o norte-americano Deontay Wilder, dono do cinturão do Conselho Mundial de Boxe.

Cada luta tem um enredo. Mas analisando friamente as últimas atuações, Wilder, apesar de pobre tecnicamente, possui um poder de destruição que poderá desmoronar com a guarda falha do paradão Joshua.

A categoria dos pesados voltou ao noticiário, mas ainda está longe de relembrar seus áureos momentos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.