Julio Cesar Chavez nega que tenha se drogado no banheiro do quarto do papa João Paulo II

Julio Cesar Chavez nega que tenha se drogado no banheiro do quarto do papa João Paulo II

Episódio foi contado no livro "Julio Cesar Chavez, a verdadeira história", escrito por Rodolfo Chavez, irmão do boxeador, e por Javier Cubedo

Wilson Baldini Jr.

28 Outubro 2018 | 23h00

 

O ex-boxeador Julio Cesar Chavez negou que tenha se drogado no banheiro do quarto do papa João Paulo II. O episódio é contado no livro “Julio Cesar Chavez, a verdadeira história”.

Chavez afirmou que há 20 anos seria recebido pelo papa no Vaticano, mas o pontífice teve uma emergência e não pôde comparecer ao encontro. Segundo o ex-lutador, o líder da igreja católica, em uma ligação telefônica, teria pedido desculpas.

“E eu disse a ele que como poderia desculpar a pessoa mais importante que existe na Terra?”, relembrou o pugilista, que para muitos é o maior da história do México. “Então me ofereceram para comer ao lado de bispos e cardeais.”

O livro, lançado recentemente, foi escrito por Rodolfo Chavez, irmão do boxeador, e pelo escritor Javier Cubedo. “Acredito que Cubedo tenha se enganado para escrever isso. Admito que usava drogas na época, mas jamais faria isso em um lugar sagrado como o Vaticano.”

O livro conta que Chavez exigiu um encontro particular com João Paulo II. Ao chegar no Vaticano, pediu para ir até o quarto do papa. Depois para se dirigir ao banheiro, onde teria cheirado cocaína e depois pedido perdão a Deus pelo vício.