Katie Taylor e Clarissa Shields têm muito mais coragem que Anthony Joshua, Deontay Wilder e Tyson Fury

Katie Taylor e Clarissa Shields têm muito mais coragem que Anthony Joshua, Deontay Wilder e Tyson Fury

Enquanto as moças enfrentam as melhores adversárias, grandalhões se escondem atrás de pseudo-rivais só para ganhar dinheiro

Wilson Baldini Jr.

16 de abril de 2019 | 22h35

 

O boxe feminino ainda não tem o mesmo glamour do masculino. O dinheiro envolvido também é bem inferior. Mas a coragem das moças supera a dos grandalhões.

Depois de vencer a brasileira Rose Volante, dia 15 de março, Katie Taylor já marcou sua próxima luta. Será em 1º de junho, em Nova York, diante de Delfine Persson. Quem vencer vai ficar com os quatro principais cinturões do boxe internacional.

Sábado, Clarissa Shields e Christina Hammer se enfrentaram pelo título unificado na categoria dos pesos médios.  Sem frescura, sem medo de perder a invencibilidade e com muita qualidade em cima do ringue.  A americana ganhou, ficou com o título. Parabéns! E bola para frente.

Enquanto isso, os fortões Anthony Joshua, Deontay Wilder e Tyson Fury se escondem atrás de pseudo-adversários em busca de dinheiro e de uma fama sem glória. Eles deveriam se enfrentar. Como fazem os meio-médios atuais. Como fizeram Hagler, Leonard, Hearns e Duran nos anos 80 e Ali, Frazier, Foreman e Norton na década de 70.

O “sexo frágil” vai à luta. Para o bem da nobre arte.

Tendências: