Miguel de Oliveira diz que Maguila poderia ter feito o mesmo que James Buster Douglas fez com Mike Tyson

Miguel de Oliveira diz que Maguila poderia ter feito o mesmo que James Buster Douglas fez com Mike Tyson

Em live na sexta-feira à noite, ex-campeão mundial contou com detalhes como foi o relacionamento com o peso pesado e revelou o motivo pelo qual deixou de ser seu técnico

Wilson Baldini Jr.

23 de maio de 2020 | 15h30

 

Aos 72 anos, Miguel de Oliveira festejou no último dia 7 os 45 anos da conquista do seu título mundial. Em 1975, o médio-ligeiro bateu o espanhol Jose Manuel Duran Perez, por pontos, após 15 assaltos, em decisão unânime dos jurados, em Mônaco, para ficar com o cinturão do Conselho Mundial de Boxe.

Na sexta-feira à noite, em uma live, o segundo brasileiro a se sagrar campeão mundial – o primeiro foi Eder Jofre -, relembrou o grande momento. “A gente nem vê o tempo passar. Quarenta e cinco anos. É muito rápido”, disse o atual técnico na academia Companhia Athletica, onde trabalha há 35 anos.

Além de lembrar sua grande vitória na carreira, Miguel também relevou detalhes do seu relacionamento com o peso pesado Adilson Maguila Rodrigues, de quem foi treinador entre 1986 e 1988. Segundo ele, o brasileiro tinha condições de derrotar Mike Tyson em 1988/1989. “Quem era Maguila para Tyson? Ninguém. Tyson não iria treinar para lutar, enquanto o Maguila estaria em sua melhor forma”, disse. “Maguila faria o mesmo que James Buster Douglas fez”, afirmou, referindo-se ao duelo de 1990 que registrou a maior zebra da história do boxe.

Miguel de Oliveira relembrou que deixou Maguila quando soube que ele tinha o desejo de enfrentar Evander Holyfield. “Enfrentar o Holyfield para quê? Ele não precisava lutar com o Holyfield.” Para o técnico, o brasileiro jamais poderia ter ido para o ataque contra o norte-americano na luta de 15 de julho de 1989. A derrota veio no segundo assalto. “O Maguila deveria ter lutado como fez com o James Quebra-Ossos Smith”, disse Miguel, ao se referir ao duelo de 1987, quando o brasileiro venceu por pontos, após 12 assaltos, no Ibirapuera.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: