Muita gente vai ter de entrar na fila – com máscara e distanciamento – para pedir desculpas para Esquiva Falcão

Muita gente vai ter de entrar na fila – com máscara e distanciamento – para pedir desculpas para Esquiva Falcão

No Brasil a inveja é enorme com aqueles que conseguem algum sucesso, além de que existe uma cultura no País de criticar intensamente tudo o que é nosso. Veja ao vídeo da luta

Wilson Baldini Jr.

21 de fevereiro de 2021 | 09h23

 

Muita gente vai ter de entrar na fila para pedir desculpas para Esquiva Falcão quando o medalhista de prata retornar ao Brasil, após a importante vitória sobre o russo Artur Akavov, neste sábado, em Las Vegas.

Em grande forma física e técnica, o brasileiro derrotou no quarto assalto o russo que já havia disputado duas vezes o cinturão mundial dos médios, diante de BJ Saunders e Demetrius Andrade.

Acontece que no Brasil a inveja é enorme para com aqueles que conseguem algum sucesso, além de que existe uma cultura no País de criticar intensamente tudo o que é nosso.

Sempre escrevi que não há comparação entre o boxe brasileiro e o norte-americano, inglês, mexicano, japonês…. Para nós, por falta de apoio, interesse, conhecimento, tradição, tudo é mais difícil e as chances são mínimas de se conseguir algo relevante dentro do mundo da nobre arte.

A oportunidade para Esquiva disputar uma eliminatória ou um título mundial está demorando porque o lutador do Espírito Santo não “vende” para o público internacional, não tem apoio financeiro e não havia conquistado uma grande vitória.

Depois da bela apresentação diante de Akakov, Esquiva ganhou maior credibilidade, vai se manter nos primeiros lugares das principais organizações internacionais do boxe e, finalmente, terá sua chance. Vai ser campeão? Ninguém sabe. Vai depender do adversário e do momento.

Agora, aqueles que só sabem criticar, por favor, façam fila – com máscara e distanciamento – para pedir desculpas ao Esquiva Falcão, que sempre mereceu respeito.

Tudo o que sabemos sobre:

boxeEsquiva FalcãoArtur Alalov

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.