Na década de 80, todo garoto da Barra Funda queria saber lutar como Hélio Santana

Na década de 80, todo garoto da Barra Funda queria saber lutar como Hélio Santana

Campeão brasileiro e quinto colocado no ranking mundial dos meio-médios teve a carreira interrompida por causa de uma facada que o deixou com o braço esquerdo paralisado

Wilson Baldini Jr.

05 de fevereiro de 2021 | 00h53

 

Na década de 80, era muito comum a garotada da Barra funda ir até as portas das fábricas para ver lutas clandestinas de boxe. A nobre arte era comentada nas ruas tanto quanto o futebol.

Os nomes internacionais eram citados, assim como os de Maguila, Chiquinho de Jesus, Francisco Tomás da Cruz. Mas um desfrutava de um carinho especial com a molecada: o meio-médio Hélio Santana. O que mais chave a atenção era a precisão e a força nos golpes.

Em 1989, com 27 anos, Hélio Santana era o campeão brasileiro dos meio-médios e quinto no ranking mundial, com um cartel invicto de 20 lutas, com 14 nocautes. Muita gente dava como certa a conquista do título mundial, tal a evolução do lutador a cada apresentação.

Mas uma facada nas costas durante uma briga tirou de Hélio o movimento do braço esquerdo e o fim da carreira foi decretado. Lembro da tristeza de muitas amigos, que eram fãs de Hélio Santana.

Na década de 80, todo garoto da Barra Funda queria saber lutar como Hélio Santana. O ex-pugilista, que trabalha como personal trainer, completa em novembro 60 anos de idade.

Tudo o que sabemos sobre:

boxeHélio Santana

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.