Nocaute recorde de sete segundos em duelo feminino entra na história do boxe pela porta dos fundos

Nocaute recorde de sete segundos em duelo feminino entra na história do boxe pela porta dos fundos

A norte-americana Miranda Adkins não tinha a menor condição técnica e física de enfrentar a compatriota Seniesa Estrada pelo cinturão silver dos pesos moscas do CMB

Wilson Baldini Jr.

28 de julho de 2020 | 09h30

 

É por combates como o de sexta-feira passada em Índio, na Califórnia, que o boxe sofre severas críticas por ser violento. O duelo entre as norte-americanas Miranda Adkins e Seniesa Estrada, pelo cinturão silver dos pesos moscas do CMB,, jamais deveria ter ocorrido.

Adkins, de 43 anos, tinha um cartel “invicto” de cinco lutas, obtidas diante de quatro rivais estreantes no profissionalismo e uma com apenas duas derrotas. Estrada, de 28 anos, muito mais experiente, somava 18 vitórias, com sete nocautes.

Após o toque do gongo, Adkins deu quatro passos tímidos e não chegou a andar dois metros. Estrada veio com tudo e com duas sequências de três socos, derrubou a rival em sete segundos.

Adkins quase ficou inconsciente e precisou ter os cuidados dos médicos presentes no local. Luta muito mal “casada” pela Golden Boy Promotions, empresa de Oscar De La Hoya, e muito mal autorizada pelo Conselho Mundial de Boxe. Foi desonesto e perigoso.

Um duelo que só serviu para entrar na história do boxe, mas pela porta dos fundos.

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: