Robson, Esquiva, Yamaguchi, Patrick, Everton e William precisam lutar mais em 2018

Robson, Esquiva, Yamaguchi, Patrick, Everton e William precisam lutar mais em 2018

Principais estrelas do boxe nacional só subiram no ringue 13 vezes em 2017

Wilson Baldini Jr.

27 de dezembro de 2017 | 12h08

Lesões, problemas com empresários e falta de oportunidade. Vários são os motivos para que os principais boxeadores do País terem se apresentado poucas vezes em 2017. O lado positivo é que nenhum deles foi derrotado.

Esquiva Falcão, Everton Lopes, Patrick Teixeira, Robson Conceição,  William Silva e Yamaguchi Falcão lutaram apenas 13 vezes neste ano que está por terminar. Muito pouco. Eles ainda não estão em uma fase da carreira que se permite subir ao ringue duas ou três vezes no ano.

E, por favor, não vamos fazer comparações com pugilistas estrageiros. O Brasil não possui a mesma credibilidade no exterior que, por exemplo, México, Grã-Bretanha ou Japão. É preciso se expor o máximo possível e somar no cartel o maior número de vitórias.

Com 19 triunfos, o invicto Esquiva Falcão calçou as luvas três vezes. Lutou em novembro e pode disputar o título mundial em 2018, diante do japonês Ryota Murata, velho conhecido desde a final olímpica em Londres-2012.

Depois de 21 meses afastado dos ringues por causa de grave lesão, o campeão mundial amador de 2011 Everton Lopes retornou com duas vitórias em setembro. Ele tem seis lutas vitoriosas no cartel.

Patrick Teixeira, com 27 vitórias e uma derrota, só lutou uma vez. Foi em julho. Pouco para um boxeador promissor que chegou a disputar uma eliminatória pela cinturão em 2016.

O campeão olímpico Robson Conceição lutou quatro vezes e sofreu com uma contusão. A última apresentação foi em setembro e tem duelo marcado para 3 de fevereiro. Ele reúne cinco vitórias na carreira profissional.

Depois de fazer uma boa luta contra a estrela porto-riquenha Felix Verdejo em 2016, William Silva teve problemas com empresários e só voltou a lutar em novembro. Ele tem 24 vitórias e apenas uma derrota.

E Yamaguchi Falcão, bronze em Londres-2012, que treina nos Estados Unidos e trocou golpes apenas duas vezes. A útima em agosto para manter a invencibilidade de 14 triunfos.

Todos eles têm chances de vôos muito altos no ano que vai começar. A torcida é grande. Vamos em frente!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.