Roy Jones Jr. vai proporcionar uma melhor exibição com Mike Tyson do que Evander Holyfield

Roy Jones Jr. vai proporcionar uma melhor exibição com Mike Tyson do que Evander Holyfield

Estilo clássico e dançarino do ex-campeão mundial em quatro categorias encaixa muito bem com a forma agressiva do Iron Man para a luta em 12 de setembro

Wilson Baldini Jr.

24 de julho de 2020 | 05h00

 

 

 

Roy Jones Jr. deverá proporcionar uma melhor luta de exibição com Mike Tyson, dia 12 de setembro, em Los Angeles, do que poderia fazer Evander Holyfield, o preferido do público para enfrentar mais uma vez o Iron Man.

O estilo clássico e dançarino do ex-campeão mundial em quatro categorias (médios, supermédios, meio-pesados e pesados) encaixa muito bem com a forma agressiva de Tyson. Com isso, são aguardadas boas trocas de golpes e bastante movimentação durante os oito rounds previstos ou até quando a preparação dos veteranos aguentar o ritmo.

Um terceiro duelo com Holyfield, para quem Tyson perdeu em 1996 (nocaute técnico no 11º assalto) e em 1997 (desclassificado no terceiro round, após morder as orelhas do adversário) teria todas as condições de ser mais violento, pois “The Real Deal” sempre gostou da luta no corpo-a-corpo, o que poderia desgastar demais os lutadores nos primeiros assaltos, levando o duelo a ficar enfadonho, caso a disputa se prolongasse por mais tempo.

Outro ponto destacado pela imprensa especializada é que talvez uma vitória de Tyson sobre Jones e a de Holyfield diante de um rivakl a ser anunciado poderia tornar o confronto da trilogia milionário.

Tyson x Jones terá transmissão pelo pay-per-view, na plataforma Triller. O anúncio foi feito, nesta quinta-feira, com os boxeadores gravando vídeos ao assinarem os contratos.  O duelo terá a autorização da Comissão Atlética da Califórnia, e foi nomeado de Frontline Battle (Batalha de Primeira Linha). O evento incluirá apresentações de artistas como Snoop, Lil Wayne, Future, The Weeknd, Pitbull, Marshmello entre outros.

Mike Tyson, de 54 anos, e Roy Jones, de 51 anos, vão aparecer em dez vídeos promocionais aos domingos como propaganda para a luta. Os dois vão dar entrevistas e mostrar a sua preparação no ginásio com os treinamentos diários.

Desde o início da pandemia, Tyson tem se apresentado em vídeos, fazendo treinos fortes de boxe e anunciando o seu retorno aos ringues, com a intenção de fazer caridade. Ele disse ter emagrecido 30 quilos. Inúmeras ofertas foram feitas e até o Conselho Mundial de Boxe prometeu colocá-lo entre os 15 primeiros do ranking. Com seu carisma, o pugilista conseguiu vários parceiros comerciais.

Tyson e Jones quase lutaram em 2003, quando Jones conquistou o título mundial dos pesos pesados, versão Associação Mundial de Boxe. Mas, durante as negociações, nas quais cogitou-se bolsas no valor de US$ 30 milhões, Jr. acabou não assinando o contrato.

Tyson foi campeão mundial dos pesos pesados de 1986 a 1990 e em 1996. Detém o recorde de ser o boxeador mais novo a conquistar um cinturão na principal categoria do boxe. Ele tinha 20 anos, quando nocauteou Trevor Berbick, no segundo assalto. O Iron Man lutou até 2005.

Roy Jones Jr. tem seu nome na história da nobre arte como um dos mais técnicos lutadores de todos os tempos. Foi campeão dos médios, supermédios, meio-pesados e pesados. Ele lutou até 2018, com 49 anos. Somou 66 vitórias (47 nocautes) e nove derrotas.

 

 

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: