Saiba o motivo ‘canalha’ que acabou com as transmissões de boxe pelo canal HBO no Brasil há 20 anos

Saiba o motivo ‘canalha’ que acabou com as transmissões de boxe pelo canal HBO no Brasil há 20 anos

No dia do jornalista, lembramos um dos momentos mais tristes dos últimos 20 anos do jornalismo esportivo

Wilson Baldini Jr.

07 de abril de 2021 | 11h52

 

Em março de 2001, fui procurado por uma funcionária do canal HBO no Brasil para ser comentarista nas transmissões de boxe. A ideia era viajar para os Estados Unidos uma semana antes do evento, gravar entradas durante a semana, transmitir a pesagem na sexta-feira e a luta no sábado.

Seriam duas lutas por mês, com um cachê de R$ 3 mil por combate. Aceitei de imediato, mas eu tinha de indicar um narrador, pois a moça que trabalhava na HBO aqui no Brasil nada sabia de esportes e muito menos de boxe.

Indiquei alguns nomes, mas nenhum obteve liberação. A 15ª opção foi um narrador experiente, que já havia feito boxe. Tudo certo. A primeira luta seria entre o mexicano Marco Antonio Barrera e o britânico Nassem Hamed, em 7 de abril, em Las Vegas. O dia do duelo foi se aproximando e nada da moça me chamar para a viagem.

Na semana anterior à luta, liguei para a moça no escritório que ficava na Avenida Faria Lima, próximo de onde fica atualmente a estação do metrô, e perguntei se havia ocorrido algum problema. E a resposta foi um direto de direita: ‘O narrador indicou um outro comentarista e disse que está muito entrosado com ele, então preferimos não desfazer a dupla.” Segundo ela, uma outra dupla seria formada e eu seria o comentarista.

A transmissão foi ao ar. Um fracasso!!! O ‘comentarista’, que nada mais era do que um amigo do narrador, não sabia a diferença entre Barrera e Hamed. A chefia da HBO simplesmente acabou com a parceria por incompetência e ignorância em boxe por parte dos dois ‘jornalistas’.

Só um detalhe: foi um grande luta e Barrera venceu Hamed por pontos. Veja a luta no vídeo abaixo.

 

Tudo o que sabemos sobre:

boxeHBOMarco Antonio BarreraNassem Hamed

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.