Se Canelo deixar DAZN, Showtime promete entrar forte na briga para ter as lutas do campeão

Tribunal da Califórnia pode dar um parecer no dia 28 sobre o processo que o boxeador abriu contra a plataforma e a empresa Golden Boy, de Oscar De La Hoya

Wilson Baldini Jr.

19 de setembro de 2020 | 19h31

 

Um tribunal da Califórnia pode dar um parecer no dia 28 sobre o processo que Saul Canelo Alvarez abriu contra a plataforma DAZN e a empresa Golden Boy Promotions, de Oscar De La Hoya. Caso o pugilista seja o favorecido, o canal Showtime já avisou que vai entrar forte na “briga” para transmitir suas lutas.

“Nós adoraríamos. Estamos orgulhosos do tempo que passamos com Canelo ”, disse Espinoza. “Fizemos algumas lutas importantes na carreira dele e ajudamos a lançá-lo como uma atração PPV nos EUA. Adoraríamos voltar a negociar com ele. Obviamente, respeitaremos seus contratos existentes. Não vamos entrar em conflito com isso. Se houver um momento em que ele estiver disponível, seremos muito agressivos. Temos muita oferta. Mas o momento de perseguir isso é apenas depois que ficar claro que ele é contratualmente capaz de fazê-lo”, disse o presidente de esporte do Showtime, Stephen Espinoza à revista Forbes.

Antes de assinar um contrato de 11 lutas por US$ 365 milhões com o DAZN em 2018, Canelo tinha contrato com o Showtime, canal no qual obteve grandes índices de audiência. Quando perdeu para Floyd Mayweather, em 2013, ajudou a gerar um pay per view bruto de US$ 150 milhões. Sua vitória contra Josesito Lopez em 2012 vendeu 1 milhão de assinaturas e sua vitória contra Austin Trout atraiu mais de 40.000 fãs para o Alamodome, em San Antonio, no Texas.

Depois, em 2014, lutou pelo canal HBO e acumulou mais fãs com vitórias marcantes sobre Gennadiy Golovkin (duas vezes), Miguel Cotto e Julio Cesar Chavez Jr. “Não houve nenhuma conversa”, disse Espinoza. “Assim que houver alguma clareza, adoraríamos ter uma discussão.”

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: