Sucesso do boxe brasileiro em Tóquio teve início no córner

Sucesso do boxe brasileiro em Tóquio teve início no córner

Trabalho começou em 2009 com uma comissão técnica, médicos, fisiologistas, nutricionistas, preparadores físicos de alto nível, especializado e atualizado

Wilson Baldini Jr.

10 de agosto de 2021 | 11h35

 

O sucesso do boxe brasileiro em Tóquio teve início no córner. As medalhas de ouro, prata e bronze foram fruto de um trabalho iniciado em 2009 com uma comissão técnica, médicos, fisiologistas, nutricionistas, massagistas, preparadores físicos de alto nível, especializado e atualizado.

“Nós temos uma ótima estrutura”, revela Mateus Alves, técnico principal da equipe. “Nós temos tudo que é preciso para o nosso dia a dia. Com relação às novas tecnologias e novos planos de trabalho, são adquiridos com o tempo, mas hoje temos tudo que é necessário para o melhor treinamento.”

Mateus revelou que a “Vamos seguir o planejamento que é feito desde 2009, com torneios internacionais, bases de treinamentos e campeonatos nacionais.”

Segundo o treinador, a ideia é manter em Paris a mesma equipe de Tóquio. “Se algum lutador quiser fazer carreira no profissional, vamos substituí-lo dentro das nossas possibilidades. E temos outros nomes sendo trabalhados em outros pesos.”

Técnico também em oito mundiais e nas olimpíadas de Londres-2012 e Rio-2016, Mateus afirmou que em Tóquio, Cuba, Grã-Bretanha e Rússia confirmaram o favoritismo, enquanto Usbequistão e Casaquistão não foram bem como se esperava. Já os Estados Unidos, apesar de não conquistarem o ouro, tiveram uma atuação melhor do que em edições olímpicas anteriores.

Leonardo Macedo, também técnico da equipe, deixou um recado importante em vídeo gravado para o “Jornal Cidade”. “O boxe brasileiro mostrou em Tóquio que tem condições de estar figurando sempre com boas participações nas olimpíadas e em outras competições. Espero que todos continuem acompanhando o boxe e os outros esportes olímpicos. Olimpíada não é só de quatro em quatro anos, olimpíada a gente faz todo dia.”

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

boxeTóquio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.