Um dos melhores, Roy Jones foi roubado, desclassificado, jogou basquete e é amigo de Putin

Um dos melhores, Roy Jones foi roubado, desclassificado, jogou basquete e é amigo de Putin

Rival de Mike Tyson neste sábado, em Los Angeles, já foi campeão mundial dos pesos pesados e também lutou três vezes com 'adversário' de Rocky Balboa

Wilson Baldini Jr.

26 de novembro de 2020 | 09h07

 

Um dos boxeadores mais técnicos da história do boxe, Roy Jones Jr não teve sua carreira destacada apenas pelas conquistas dos cinturões mundiais entre os pesos médios, supermédios, meio-pesados e pesados. O adversário de Mike Tyson na exibição deste sábado, em Los Angeles, reuniu uma série de momentos curiosos em mais de três décadas na nobre arte.

Em 1988, na decisão da medalha de ouro olímpica, em Seul, Coreia do Sul, Jones foi ‘roubado’ ao ver os jurados apontarem o coreano Si-Hun Park como vencedor por 3 a 2. Na contagem dos golpes após os três rounds, o americano somou 86 contra 32 do asiático, que, constrangido após o resultado, chegou a levantar o braço de Jones.

Em 2008, o Comitê Olímpico Internacional (COI) ofereceu a Jones uma medalha de ouro, que não foi aceita. “Vinte anos depois ela nada vale para mim.”

Como profissional, em 1996, Jones, um fã de basquete, jogou à tarde pelo time de Jacksonville e à noite foi enfrentar Erik Lucas e venceu após 12 assaltos, mantendo o cinturão dos supermédios da FIB. O amor pelo esporte da bola laranja passou para o filho Roy Jones III, que se tornou um grande jogador universitário.

Para alguns críticos, esta e outras atitudes de Jones colaboraram para que seu físico ficasse deteriorado no fim de carreira. O pugilista também ganhou muito peso durante os anos, ao se sagrar campeão dos médios (72 quilos), supermédios, meio-pesados e pesos pesados (90 quilos).

Alguns estudiosos afirmam que Jones pagou um preço muito caro por exigir demais de sua parte física, ao subir até os pesos pesados e depois retornar para os meio-pesados, o que lhe valeram algumas derrotas inesperadas.

Jones se manteve invicto nas 34 primeiras lutas e foi ser derrotado por Montell Griffin, por desclassificação, após atingir o adversário ajoelhado, em 1997. Na revanche, no mesmo ano, venceu por nocaute após apenas 2min31 de luta.

Mas o fato mais inusitado ocorreu em 2015, ao conseguir a cidadania russa para a abertura de academias de boxe em Moscou e outras localidades. A atitude valeu uma entrevista pessoalmente com o presidente Vladimir Putin. O projeto nunca foi em frente.

Jones também sempre reservou momentos interessantes ao se dirigir para o ringue, cantando rappers de sua autoria, quando muitas vezes vestiu smoking. Resta saber como ele vai se apresentar para a exibição com Mike Tyson, que terá a transmissão ao vivo do Canal Combate e de VT na TV Globo.

 

Já na parte final de sua carreira, em 2003, 2004 e 2005 teve três grandes duelos com Antonio Tarver, um dos protagonistas do sexto filme da saga Rocky. Jones venceu uma luta e perdeu duas.

Tudo o que sabemos sobre:

boxeMike TysonRoy Jones

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.