Venezuelano abandona equipe olímpica para disputar título no boxe profissional

Venezuelano abandona equipe olímpica para disputar título no boxe profissional

Gabriel Maestre, de 34 anos, optou por disputar o título interino dos meio-médios da AMB, dia 7, contra o canadense Cody Crowley, nos Estados Unidos.

Wilson Baldini Jr.

15 de julho de 2021 | 12h23

 

O venezuelano Gabriel Maestre, de 34 anos, abandonou a equipe olímpica de seu país às vésperas da disputa de Tóquio/2020 para disputar o título interino dos meio-médios da Associação Mundial de Boxe, dia 7 de agosto, contra o canadense Cody Crowley, em Minneapolis, Minnesota, Estados Unidos.

“É difícil escrever essas linhas depois de tudo o que vivi”, afirmou Maestre ao confirmar sua saída da Olimpíada. “Passei muito tempo refletindo para tomar a decisão de encerrar meu tempo de atleta e capitão da seleção venezuelana de boxe, principalmente às portas dos Jogos Olímpicos. “Sinto que é hora de focar no que minha carreira profissional me oferece, onde também defendo o nosso tricolor (bandeira da Venezuela). No dia 7 de agosto, tenho uma dura batalha contra Cody Crowley que pode me permitir continuar sonhando com a possibilidade de conquistar um título mundial para o nosso país.”

Maestre se tornou profissional há dois anos, após ter representado a Venezuela em 2012 em Londres e 2016 no Rio – os boxeadores profissionais podem disputar a olimpíada. Ele foi eliminado nas quartas de final em ambas as ocasiões, duas vezes perdendo a uma vitória antes de levar para casa uma medalha.

Mesmo entre mais de duas dezenas de profissionais que vão competir nas Olimpíadas neste verão em sua categoria. Maestre era um grande favorito para avançar para a rodada de medalhas. Em vez disso, ele se contentará em perseguir a elite dos médios nas fileiras profissionais.

“Defender a Venezuela em um evento olímpico ou outro sempre foi meu orgulho e fiz isso com a seriedade e responsabilidade que merece. Graças a isso, pude lutar em dois Jogos Olímpicos e três Jogos Pan-americanos. Quero agradecer aos dirigentes, colegas… a Federação Venezuelana de Boxe, o Comitê Olímpico da Venezuela, o Ministério do Poder Popular para o Esporte e a todos aqueles que, em maior ou menor grau, me ajudaram a ser o boxeador que sou hoje. ”

Maestre estava entre os quatro lutadores da Venezuela que se classificaram automaticamente para a competição após o cancelamento do Torneio Pan-Americano de Qualificação Olímpica de Boxe 2021, realizado em Buenos Aires, Argentina. Em vez disso, os lutadores receberam vagas olímpicas com base em um sistema de classificação global.

Com a retirada de Maestre, o argentino Brian Agustin Arregui – também um meio-médio profissional que está atualmente 2-0 (2 KOs) – terá agora a chance de competir em Tóquio. A Venezuela está reduzida a uma equipe de três homens, incluindo Yoel Finol, que conquistou a medalha no Rio 2016 como peso mosca. “Desejo o maior sucesso a todos os atletas venezuelanos que vão nos representar em Tóquio 2020”, disse Maestre, em um comunicado. Ele soma três vitórias, em três lutas, como profissional. 

Tudo o que sabemos sobre:

boxeTóquio 2020

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.