Vitória de Bivol sobre Canelo ratifica o princípio de que o boxe se vence também com o cérebro

Vitória de Bivol sobre Canelo ratifica o princípio de que o boxe se vence também com o cérebro

Russo campeão dos meio-pesados mostrou mais uma vez ser inteligente, frio e dono de uma tática que pode se adequar aos adversários, sem precisar trocar golpes à toa

Wilson Baldini Jr.

09 de maio de 2022 | 12h40

 

Boxe é uma luta, não uma briga. Lógico que é importante ser forte para praticar este esporte, mas usar o cérebro é o principal. A vitória de Dmitry Bivol, sábado, em Las Vegas, sobre o mexicano Saul Canelo Alvarez ratificou o princípio de que o boxe se vence também com a inteligência.

O russo campeão dos meio-pesados mostrou mais uma vez ser inteligente, frio e dono de uma tática que pode se adequar aos adversários, sem precisar trocar golpes à toa.

Bivol adotou a forma de lutar na média/longa distância e não proporcionar o contra-ataque para Canelo, principalmente quando o mexicano estava nas cordas. Soube usar o jab e teve boas sequências para quebrar o entusiasmo do rival.

Em nenhum momento se incomodou com o clima todo favorável ao adversário, até arriscou falar em espanhol para se mostrar simpático durante a pesagem e aceitou ter seu nome em segundo lugar na chamada da luta (CaneloBivol), entrar no ringue em primeiro e ser anunciado para a luta antes do desafiante, quebrando regras tradicionais do boxe.

Com Bivol, os amantes do boxe tiveram mais uma aula de que só valentia não leva ninguém à glória.

 

Tudo o que sabemos sobre:

#canelobivol

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.