Boca e Coxa

Jornal da Tarde

22 de junho de 2012 | 23h26

Corintianos e palmeirenses que me desculpem, mas vou torcer para o Boca ser campeão da Libertadores e o Coritiba ganhar a Copa do Brasil. Minha opção, como sempre, é pelo futebol.

Vamos começar pela Libertadores. O Timão não consegue me entusiasmar com o seu jeito de jogar, e isso não é de hoje. Toma poucos gols, mas precisa suar para colocar a bola na rede. Tem gente chamando o Danilo de maestro… Pelo amor de Deus! Se ele é maestro como definir Gérson, Rivellino, Ademir da Guia, Dirceu Lopes e Alex?

O Boca, sim, tem um maestro. O nome dele é Riquelme. Toda vez que o vejo jogar me delicio com seus passes. Precisos, surpreendentes, inteligentes. Nada de toquinhos burocráticos, ele enxerga longe. E o Boca, mesmo sem ser brilhante, tem um estilo de jogo mais agradável.

 Agora, a Copa do Brasil. O Palmeiras está sendo elogiado pelo estilo “copeiro”, à imagem e semelhança do Felipão. Mas futebol que é bom… Gostaria que o Palmeiras merecesse voltar a ser chamado de Academia, e não que fosse exaltado por ser um time brigador.

Viram o jogo com o Grêmio? Depois que o Valdivia entrou foi outra coisa, porque ele é um artista. É instável, mas é um artista. A torcida gosta de ver o que ele faz. É dessa criatividade e ousadia que o Palmeiras precisa, e não de um monte de volantes.

 O Coritiba, do meu amigo Marcelo Oliveira, é um time mais leve e ofensivo. Veio jogar no Morumbi com o São Paulo e não ficou encolhido lá atrás. E aposto que vai tentar atacar no jogo de ida da final. Se fosse o contrário, com o primeiro jogo no Paraná, o Verdão ia jogar fechadinho.

Para encerrar: vendo Alemanha x Grécia, o Tite e o Felipão devem ter torcido para a Grécia. E o Marcelo e o técnico do Boca, para a Alemanha.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: