A grandiosidade de Dani Lins.

A grandiosidade de Dani Lins.

Bruno Voloch

24 de julho de 2015 | 09h27

Omaha, EUA.

Nenhuma jogadora da seleção brasileira sentiu mais a derrota para a Rússia do que Dani Lins.

A levantadora estava arrasada após a partida.

‘Sei que não joguei bem e que poderia ter rendido mais. Sei que fui uma das responsáveis pelo derrota. Não fiz o jogo correto, não li como deveria o lado delas e minhas companheiras ficaram em dificuldades para colocar a bola no chão’.

Campeã olímpica e nome certo para os jogos do Rio em 2016, Dani é hoje intocável na seleção. Titular absoluta e fundamental no processo de renovação interno.

Dani admite que as vezes passa dos limites:

Brazil v Dominican Republic - FIVB Women's World Championship

‘Sempre fui assim. Me cobro muito, as vezes sei que exagero mas não consigo mudar. Vem de dentro de mim. Converso muito com o Sidão (marido) após os jogos porque ele é central e quero sempre deixar as meninas não melhores condições de rodar. Falando com ele me ajuda porque me passa a sensação do que elas sentiram’.

Dani cresceu.

Amadureceu.

Não faz questão de aparecer, é simples no tratamento e não se deixa iludir por conquistas do passado. Olha sempre para frente.

‘Assumo mesmo a responsabilidade pela derrota. Eu fui mal. Não adianta ficar tentando buscar desculpas na arbitragem, no bom jogo delas, que de fato aconteceu, na Goncharova, enfim, a levantadora é o cérebro do time e todas as bolas passam pelas minhas mãos, ou seja, cabe a mim escolher as melhores opções. Contra a Rússia não fiz isso’.

Dani Lins surpreende. É diferente. É a mesma ganhando ou perdendo.

A grandiosidade do atleta muitas vezes se conhece na derrota.

Dani Lins foi sublime.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: