A obrigação de Curitiba com Mari Aquino

A obrigação de Curitiba com Mari Aquino

Bruno Voloch

23 de março de 2019 | 09h27

Apesar do otimismo na hora da lesão, já se sabia que o caso envolvendo Mari Aquino era grave. O que se temia, mas no fundo dependia apenas de exames complementares, acabou sendo constatado.

A jogadora rompeu os ligamentos do joelho esquerdo e ficará 8 meses afastada do esporte.

São infelizes contingências do esporte, mas que nenhum atleta está livre.

Só que não são poucos os casos em que jogadoras lesionadas são simplesmente deixadas de lado por seus respectivos procuradores, a última foi Samara, caso que está sendo investigado pelo blog, e abandonadas ao mesmo tempo pelos clubes.

Portanto, é bom lembrar, que Curitiba tem obrigação de dar toda assistência necessária para a jogadora, afinal Mari se lesionou no exercício de sua profissão e tem contrato até abril. Os responsáveis pelo projeto, que até agora atuaram com extrema lisura, trabalho esse recompensado com a classificação para os playoffs, não podem ter outra conduta que não seja essa.

Algo diferente disso jogará no ralo tudo que Curitiba construiu até agora.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.