A reconstrução e nova identidade de Osasco.

A reconstrução e nova identidade de Osasco.

Bruno Voloch

18 Outubro 2018 | 09h16

Osasco resistiu. De novo.

Chama atenção a reconstrução do clube apenas 8 meses depois de perder o patrocinador. O clube está completamente repaginado. Literalmente falando. Entra forte novamente na Superliga e não perdeu o status de um dos favoritos ao título.

Ainda que não seja o time mais forte no papel, os responsáveis pela sobrevivência do vôlei em Osasco conseguiram manter Camila Brait, Angela Leyva, Carol Albuquerque e Mari Paraíba. Elenco que honra as tradições do clube com gente que fez história como a norte-americana Hooker, as campeãs olímpicas Walewska e Paula Pequeno e a levantadora Claudinha que chega com status de campeã da Superliga.

O blog conversou com Marcelo Palaia, Diretor Executivo do Clube:

‘Osasco é diferenciado. Andamos com nossas próprias pernas. Usamos 100% da nossa rede de contatos e com a entrada do Audax e outros patrocinadores mantivemos a chama acesa do esporte que é orgulho para os moradores da cidade. Hoje estamos muito mais preparados para a chegada de novos patrocinadores e parceiros. Temos comunicação visual nova, estrutura e investimento para atender futuros interessados’.

Osasco sofreu um baque semelhante ‪há 10‬ anos. Saía de cena o Finasa. O técnico Luizomar de Moura correu atrás e não deixou o projeto morrer com a chegada da Nestlé.

Parceria essa que durou quase uma década. Gestão simples, compartilhada com o patrocinador e de enorme sucesso dentro e fora de quadra com vários títulos e resultados de comunicação impressionantes ao patrocinador como explica Palaia:

‘Nosso antigo patrocinador teve resultados comparados aos grandes clubes do futebol brasileiro. Números estes parecidos com times, como Flamengo, Corinthians, Palmeiras e São Paulo. Em uma temporada específica tiveram um retorno de mídia espontânea de aproximadamente 50 reais por cada real investido, algo inimaginável no vôlei’.

O dirigente faz questão de enaltecer a força da marca Osasco, credibilidade dos envolvidos e fala da nova identidade assumida há 8 meses:

‘Nesta nova etapa ressalto o apoio do nosso Prefeito Rogerio Lins e do presidente do clube, e a dedicação e o prestígio do Luizomar. Algumas jogadoras ficaram por causa dele e outras vieram porque confiaram na palavra e na competência dele. Acreditaram sempre que o projeto seria mantido. E foi exatamente o que aconteceu. Em nossa gestão, fizemos várias ações vitoriosas, entre elas a criação do nosso escudo que hoje vai em todo o nosso uniforme, a Osasco Vôlei Store, nossa loja física e digital de produtos licenciados, toda a criação da nova comunicação visual da quadra e de nossas redes sociais e toda a preparação para a chegada dos novos parceiros’.

Palaia admite que a ligação entre a torcida e o time é algo reconhecido pela prefeitura e diz que esse elo, aliado aos resultados, transformou Osasco na capital mundial do vôlei:

‘Hoje o que existe aqui é uma ligação muito forte entre torcida e time. A prefeitura reconhece que o vôlei feminino é atração e motivo de orgulho para o município, sendo o maior entretenimento em Osasco. Mostramos que o produto é forte e cumprimos nosso objetivo. Não é por acaso que Osasco é tida como capital mundial do vôlei. Osasco é o único clube que ganhou todos os títulos possíveis e imaginários. Neste momento nosso único pensamento é #maisosascodoquenunca’.