Aos 21 anos, Boskovic se consagra e escreve seu nome e da Sérvia na história do vôlei mundial.

Bruno Voloch

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar a partir de R$1,90

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar a partir de R$1,90

Restam 4 de 5 matérias gratuitas no mês

ou Assinar a partir de R$1,90

Essa é sua última matéria grátis do mês

ou Assinar a partir de R$1,90

Tijana Boskovic escreveu seu nome na história do vôlei. Consagração que chega aos 21 anos de idade e com o inédito título mundial da Sérvia conquistado no Japão.

Boskovic foi decisiva no tie-break e fechou a decisão com 26 pontos marcando em todos os fundamentos. A jogadora mostrou todo seu reconhecido talento no quinto set.

Conquista que também passou pelas mãos da sempre eficiente Rasic e de Mihajlovic. A ponta em determinados momentos da final acabou sendo mais eficiente do que a própria Boskovic por opção da inteligente e diferenciada levantadora Ognjenovic.

Título merecido de uma seleção que foi equilibrada, passou duas vezes pela própria Itália e curiosamente não cruzou nem com a China e os Estados Unidos.

Mérito do técnico Zoran Terzić.

A Sérvia, reconhecidamente, tem o elenco na conta do chá e viu o cenário piorar após perder Bojana Milenkovic, devidamente homenageada no pódio, no começo do campeonato diante de Porto Rico. O treinador não pensou duas vezes antes de poupar suas principais jogadoras sem se preocupar com os interesses paralelos.

Ganhou quando precisou e perdeu quando podia, no caso contra Japão e Holanda na segunda fase.

Chegou com o time titular inteiro para o final 6 e foi campeão praticamente sem mexer na equipe na final, exceção feita a entrada tão rápida quanto inexplicável de Stevanovic no tie-break.

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Siga o Estadão