Banco do Brasil: marketing da CBV se cala e não responde sobre bloqueio de propriedades

Banco do Brasil: marketing da CBV se cala e não responde sobre bloqueio de propriedades

Bruno Voloch

22 de setembro de 2020 | 18h51

A CBV, Confederação Brasileira de Vôlei, optou pelo silêncio.

O departamento de marketing da entidade, via analista Fabiola Padula, não respondeu os questionamentos, muito menos a posição da entidade.

Os clubes, conforme o blog apurou, cobram da CBV que seus respectivos patrocinadores possam expor suas marcas nos ginásios que serão usados na Superliga.

Acuada, a CBV não explica.

O departamento de marketing limita e não permite qualquer ação, ainda que seja nas arquibancadas. A entidade não cogita abrir espaço para a concorrência com medo de perder apoio do Banco do Brasil.

A exigência é antiga e agora ganhou força nos bastidores.

O momento não poderia ser pior para CBV por causa da crise com o Banco do Brasil.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: