Batendo na mesma tecla em Bauru

Batendo na mesma tecla em Bauru

Bruno Voloch

05 de fevereiro de 2020 | 10h57

Por que facilitar se a gente pode complicar?

Tifanny sai do banco e resolve para Bauru.

Não foi a primeira e certamente não será a última vez que a cena acontece durante um jogo. Foi assim contra Barueri. A ponteira ou oposta, nem o técnico sabe, substituiu Sarah e foi fundamental na reação e virada na vitória por 3 sets a 2.

Resultado importantíssimo que manteve Bauru perto de Osasco na luta pelo quarto lugar, o máximo que o time pode sonhar para os playoffs.

A questão vai além.

Anderson não tem o time nas mãos.

E não terá enquanto continuar com esse revezamento. Insegurança do lado de fora e que inevitavelmente atinge as envolvidas nesse entre e sai rotineiro.

Tifanny é só uma das vítimas.

Quem perde é o time.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: