BRASIL sem mão e passivo na previsível derrota para a França.

BRASIL sem mão e passivo na previsível derrota para a França.

Bruno Voloch

16 Junho 2018 | 12h38

Depois de levar 3 a 0 do Canadá era óbvio que o BRASIL não ganharia da França, ainda mais com Renan repetindo a escalação do jogo anterior mantendo inclusive Douglas Souza entre os titulares.

Não que o jogador tenha sido o responsável pela derrota. Não seria justo. Hoje não. Se bem que no caso de Douglas, coitado, a responsabilidade maior é de quem convoca e escala.

Contra a França a seleção não teve ‘mão’ e postura. E olha que o BRASIL deu sorte. Muita sorte.

A França abusou dos erros e deu ao BRASIL quase 30 pontos. Nem assim a seleção teve a capacidade de ganhar um set sequer. Nos números então a diferença foi 3 vezes maior.

Os franceses marcaram 12 pontos de bloqueio contra 4 do BRASIL. E foram 9 pontos de saque.

A má fase de Bruno chama atenção. Impreciso, o levantador acabou sendo substituído por William que continua burocrático e previsível. Como capitão, o levantador titular da seleção deveria ser mais enérgico e cobrar dos companheiros.

Falta atitude. Não tem perfil para a função. Bruno exagerou e foi simpático além da conta com o ex-companheiro Ngapeth durante o jogo.

E assim caminha a seleção de Renan Dal Zotto.

Sorte que amanhã é a Bulgária.