Canoas dá calote, deve 8 meses de salários e estuda burlar regulamento para se manter na Superliga.

Canoas dá calote, deve 8 meses de salários e estuda burlar regulamento para se manter na Superliga.

Bruno Voloch

25 de abril de 2018 | 14h43

O blog apurou que os jogadores de Canoas e a comissão técnica receberam apenas 2 dos 10 meses de salários previstos em contrato.

A revolta de quem passou por lá e defendeu o clube durante a última Superliga é grande. Segundo consta, os atletas passaram sérias dificuldades financeiras, não faziam todas as refeições e por diversas vezes iam treinar sem café da manhã.

Os jogadores ameaçaram fazer greve quando Canoas enfrentou Campinas pelo returno.

A diretoria alega que a responsabilidade seria da prefeitura. A briga política entre o atual e o vice-prefeito teria feito a verba que chegou através da lei de incentivo ser travada na justiça.

O projeto parou. Os jogadores e a comissão técnica não.

Agora, o blog tem informações que Canoas pretende sugerir que a dívida seja parcelada. Os jogadores teriam que assinar um documento como se a dívida tivesse paga, quando na verdade será apenas parcelada.

Orientados, até onde o blog chegou, os atletas não deverão aceitar.

A iniciativa do clube tem como objetivo possibilitar Canoas de participar da próxima edição da Superliga e convencer a CBV, o que não é difícil, de que a casa está em ordem.

A esperança se justifica. Tudo pode acontecer na entidade. Só que o regulamento é claro e diz que os clubes devem apresentar quitação e não ter qualquer dívida com nenhum jogador que fora contratado na temporada anterior.

Canoas e os demais clubes têm até o dia 30 de maio para confirmar a inscrição. Só que se depender dos jogadores, é bom Canoas começar a negociar  o CNPJ.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: