Caso ‘Aninha’, do Curitiba/Vôlei: Universidade Positivo confirma fatos e se coloca à disposição da atleta

Caso ‘Aninha’, do Curitiba/Vôlei: Universidade Positivo confirma fatos e se coloca à disposição da atleta

Bruno Voloch

25 de junho de 2020 | 09h41

A Universidade Positivo se pronunciou sobre as denúncias das jogadoras do Curitiba/Vôlei.

Uma delas.

Aninha, líbero do time, em entrevista ao blog, fez inúmeras acusações. Revelações que despertaram casos até então adormecidos, sem respostas e divulgados na sequência por outras jogadoras.

No post, que foi ao ar no domingo, da 21, a atleta cita:

A Universidade onde treinamos e jogamos dava tudo para nós. Alimentação, nutricionista, bolsa de estudo, psicólogo, cursos de línguas e odontologia. Tínhamos que passar por tudo isso e no dia da minha consulta da odontologia eles constataram que eu tinha todos os meus sisos e alguns dentes de leite ainda. Não me incomodava mas eles disseram que eu iriam fazer os procedimentos necessários. Gisele disse para eu fazer tudo na pré temporada. Eles tiraram em um único dia, 6 dentes da minha boca. Foi a pior experiência. O tratamento foi horrível, traumatizante. Eles me tratavam como um ratinho de laboratório. Cada dente era um aluno diferente que tirava. Tive que ficar duas semanas afastada dos treinamentos. E eles prometeram que iam colocar próteses novas e aparelho nos meus dentes. Até hoje não tenho dentes no fundo da minha boca e me alimento mal por isso’.

4 dias depois, a A Universidade Positivo se manifestou. A versão da empresa confirma o procedimento.

Eis a nota:

A Universidade Positivo informa que a paciente em questão foi atendida na Clínica-Escola de Odontologia, em agosto de 2018, por um estudante do último ano do curso de Odontologia, sempre com a devida supervisão dos professores. Na ocasião, foram realizadas seis extrações para o tratamento. A paciente foi orientada quanto ao procedimento, que geralmente é demorado e dolorido, por isso, o comprometimento com o tratamento é essencial. Ressaltamos que nosso maior objetivo é contribuir com a comunidade. Estamos à disposição para fazer uma reavaliação da paciente e seguirmos o tratamento conforme as normas da clínica, que oferece serviços internos realizados de forma gratuita e voluntária, com exceção de serviços terceirizados, como próteses e exames’.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: