Caterina Bosetti rebate críticas, admite saudades e diz: ‘Ainda volto para jogar em Osasco’.

Caterina Bosetti rebate críticas, admite saudades e diz: ‘Ainda volto para jogar em Osasco’.

Bruno Voloch

25 de julho de 2015 | 10h24

Omaha, EUA.

O torcedor de Osasco se divide quando o assunto é a passagem da italiana Caterina Bosetti pelo clube.

Ela não. Discorda das críticas.

‘Eu tenho certeza que só deixei boas recordações da minha passagem pelo BRASIL. Me dediquei, dei meu máximo dentro de quadra, passamos o campeonato todo sem perder e infelizmente caímos na semifinal para o Sesi. São coisas do esporte’.

cate

O blog conversou com Caterina enquanto ela assistia ao primeiro set do clássico entre Estados Unidos e Rússia no Century Link Center, local que recebe as finais do Grand Prix.

‘Sinto muita saudade do time e da comissão técnica, especialmente o Luizomar. Aprendi muito no BRASIL. Foi minha primeira experiência fora da Itália, longe da família e os resultados foram positivos para minha vida pessoal e profissional’.

Arranhando o português e de ótimo humor, Caterina disse que recebeu convites para jogar novamente no país, mas se negou, sempre rindo muito, a dizer quais clubes teriam feito proposta:

Italy+v+Azerbaijan+FIVB+Women+World+Championship+nPtgbyupyeQl

‘Não posso dizer mesmo. Mas 3 equipes me procuraram. Não é o momento de voltar. Mas digo que um dia jogarei novamente no BRASIL e será em Osasco’.

Caterina defendeu o clube na temporada 2013/14. Conquistou o campeonato paulista, a Copa Brasil e foi terceira colocada na Superliga.

No ano seguinte foi jogar na Turquia e vestiu a camisa do Galatasaray.

Repatriada, assinou com o Novara para 2015/16.

Italy's Ctaerina Bosetti and Paola Croce

‘Acho importante estar na Itália essa temporada. Temos o campeonato europeu, vamos disputar o classificatório para a Olimpíada e priorizar os jogos olímpicos. Tenho apenas 21 anos, mas não quero deixar passar a oportunidade de jogar os jogos olímpicos do Rio em 2016. E a Itália vai estar lá.

Caterina diz que a Itália vai surpreender:

‘O time ainda irá crescer muito. Ninguém acrdeitava na gente no mundial em 2014 e dentro de casa surpreendemos a maioria dos adversários e com muito orgulho fomos até as semifinais. Perdemos um jogo incrível para a China, caso contrário faríamos a final contra os Estados Unidos adversário que vencemos por 3 a 0 na fase anterior. Infelizmente não aconteceu e acabamos perdendo a medalha de bronze para o BRASIL no quinto set. Quem sabe aqui no Grand Prix não recuperamos a medalha’.

E Caterina pode ter razão.

Se o BRASIL não vencer os Estados Unidos e a Itália derrotar o Japão, BRASIL e Itália devem decidir a medalha de bronze no domingo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.