Clarisse renasce, não admite Pinheiros fora dos playoffs e critica política ‘do ganha mais’ no Fluminense

Clarisse renasce, não admite Pinheiros fora dos playoffs e critica política ‘do ganha mais’ no Fluminense

Bruno Voloch

28 Janeiro 2019 | 11h23

Se depender do returno o Pinheiros não ficará fora dos playoffs da Superliga.

Quem garante é Clarisse, um dos destaques do time na vitória surpreendente contra Barueri por 3 a 2 na última sexta-feira em São Paulo.

Ao blog, a jogadora disse que pela grandeza do Pinheiros não aceita ver a equipe apenas na nona colocação. Falou do comprometimento do grupo, cobrança e mudança de postura no segundo turno.

Por falar em postura, a Clarisse vibrante e capaz de contagiar as companheiras chamou atenção.

Curiosamente, não foi a mesma que passou pelo Fluminense na temporada passada. Perguntada sobre a diferença de comportamento, ela não poupa críticas e diz que a política do técnico tricolor é separar titulares e reservas e que joga quem ganha mais.

O que representou para Pinheiros a vitória sobre Barueri?

Um passo importante nessa corrida para a classificação e retomada de confiança. Mostra nosso poder de superação como equipe.

Como é conviver com a ameaça do Pinheiros não se classificar para os playoffs da Superliga?

Não estamos em uma posição confortável, é verdade. O Pinheiros ficou 8 pontos atrás do oitavo colocado. Mas essa equipe tem muita garra e uma boa dose de experiência. A gente se uniu e estamos decididas a fazer um returno melhor como provamos diante de Barueri. Cada dia de treinamento está sendo muito bem aproveitado, vejo uma equipe ainda mais comprometida, mesmo estando nessa situação. E temos tudo para reverter isso. Cada jogo tem sido uma guerra e não podemos aceitar o Pinheiros fora dos 8.

O que se viu em quadra no último jogo foi uma Clarisse vibrando, acima da média, e contagiante. Por que essa Clarisse não existiu no Fluminense?

Simples, porque não houve espaço. A equipe foi montada e havia uma separação entre titulares e reservas. Eu fiz meu trabalho como pude e infelizmente são coisas que acontecem.

Como assim?

Lá no Fluminense ele (Hilmer Dias) contrata titular e reserva. Não importa quem está melhor. Quem ganha mais, joga. Não entendo muito bem alguns técnicos que contratam 12 ou 14 atletas e só utilizam 7. Mas tudo bem, respeitei a decisão e segui meu caminho sem mágoas. De certa forma foi uma belo aprendizado e um super combustível para minha carreira. Resultado disso é uma Clarisse muito mais aguerrida, comprometida e determinada esse ano e com um apetite enorme de jogar voleibol.

O que falta para o Pinheiros ser considerado um time grande?

O Pinheiros é grande. Grande por inúmeros motivos, um clube que trata o atleta como deve ser. Que proporciona as melhores condições. Uma estrutura espetacular. Um clube tradicional e sério, e que sempre revela grandes atletas. Sempre se destaca e apesar de alguns resultados ruins, é respeitado. Acho que isso o torna grande e se deve valorizar. Mas a verdade é que apesar de ser tudo isso que eu falei, é um clube que não investe alto como o Praia ou Minas. É uma mescla de jogadoras muito novas com algumas mais experientes. Com qualidade claro. Mas não contamos com jogadoras da seleção. Acho que esse ano tem, tinha tudo para incomodar mais. Quem sabe agora no returno a gente não siga surpreendendo?