COB interfere, CBV não resiste à pressão e acaba com polêmica no vôlei de praia.

Bruno Voloch

14 de setembro de 2015 | 10h27

A CBV, Confederação Brasileira de Vôlei, não resistiu. Cedeu.

O blog apurou que COB, Comitê Olímpico Brasileiro, entrou no circuito e ‘sugeriu’ sutilmente ao diretor Fúlvio Danilas, responsável pelo vôlei de praia, que os resultados obtidos dentro de quadra prevalecessem.

E mais.

Exigiu que a CBV, diferente do que era proposto para janeiro,  anunciasse o quanto antes as duplas classificadas. Será assim.

cbv

Ainda pressionada pela mídia e opinião pública, fora a péssima repercussão do caso, a entidade vai acatar a ‘sugestão’ do COB e confirmar em breve as duplas Ágatha/Bárbara Seixas e Evandro/Pedro Solberg nos jogos olímpicos do Rio em 2016.

A CBV chegou a cogitar anteriormente deixar de lado o critério técnico e a posição das duplas no ranking. Agora não.

A decisão acaba de vez com o sonho olímpico de Juliana/Maria Elisa e Ricardo/Emanuel, duplas diretamente interessadas.

Entre as mulheres, uma delas deve ser indicada como reserva imediata das duplas classificadas.

Barbara-e-Agatha1

Larissa/Talita e Alison/Bruno Schmidt, lideres do ranking, estão confirmados.

Dos 4 jogadores, Bruno é o único que ainda não disputou uma olimpíada.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.