Constatações da equilibrada decisão entre Praia e Minas

Constatações da equilibrada decisão entre Praia e Minas

Bruno Voloch

08 de novembro de 2019 | 08h43

O Praia é novamente campeão mineiro. Com os 3 a 2 sobre o Minas, o time de Uberlândia saiu da fila de 3 anos e de quebra impediu o tricampeonato do maior rival.

Não foi fácil como a maioria sugeria e os últimos encontros entre os dois indicava.

É apenas início de temporada, mas o jogo, efetivamente o primeiro para valer entre Praia e Minas, mostrou algumas interessantes direções.

Thaísa está numa forma exuberante e foi disparada a principal jogadora da final.

A melhor contratação do Minas.

Bruna Honório vai crescer e Sheilla deu claros sinais de evolução. Nicola não pode insistir com a norte-americana Deja, muito abaixo dos padrões do vôlei brasileiro. Erro.

Kasiely naturalmente ganhará a posição.

A entrada da venezuelana Acosta poderá mudar o status do Minas, ou é isso que se espera. O Minas será competitivo e pode ganhar corpo se for bem treinado por Nicola.

No caso do Praia, Pri Daroit vai dar dor de cabeça para Paulo Coco. Hoje, é titular. Se sair será uma tremenda injustiça. Pri será mais útil do que se pensava inicialmente.

Fernanda Garay ainda não está 100%. Estranho.

Martinez rende mais como oposta e nesse caso Fawcett irá cortar um dobrado se quiser jogar. E ainda tem Monique. A volta de Claudinha é questão de tempo. Impressionante como ela tem a cara e se identifica com o projeto. Essa líbero Laís é boa de bola e não sentiu a pressão. Merece ser observada.

 

 

 

Tendências: