Crise entre CBV e Banco do Brasil: Blumenau escapa por um triz

Crise entre CBV e Banco do Brasil: Blumenau escapa por um triz

Bruno Voloch

12 de novembro de 2020 | 11h21

Blumenau escapou por um triz.

Mais precisamente o experiente levantador Evandro. O jogador escorregou perigosamente por causa das péssimas condições do piso ofertado pelo Banco do Brasil em parceria com a Recoma e aval da CBV, Confederação Brasileira de Vôlei.

O incidente aconteceu na derrota do time para Taubaté por 3 sets a 1.

É nítido a cada bola atacada ou disputada o desconforto e a insegurança dos envolvidos dentro de quadra.

Seria bom poder falar do ótimo jogo de Maurício Borges, da entrada interessante de Gabriel como oposto, do amadurecimento de João Rafael e da coragem do bom time de Blumenau dirigido por André Donegá que enfrentou o melhor time do BRASIL sem mudar suas características independentemente das limitações técnicas se comparadas ao adversário.

Mas não.

Blumenau poderia ter perdido uma peça importante e fundamental para a temporada.

E quem pagaria a conta? E o prejuízo?

O Banco? A CBV?

Os episódios cada vez mais rotineiros servem como alerta, mas infelizmente a sensação é que a reação da classe, ainda bem devagar e distante do ideal, só será completa quando algo mais sério acontecer.

A conferir.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.