Cuba reabre as portas da seleção para os jogadores que decidiram sair do país. Simon deve ser o primeiro.

Cuba reabre as portas da seleção para os jogadores que decidiram sair do país. Simon deve ser o primeiro.

Bruno Voloch

06 Dezembro 2018 | 08h02

A Comissão Nacional de Esportes de Cuba, em decisão inédita e surpreendente, decidiu abrir as portas da seleção para os jogadores que atuam fora do país.

A decisão também será aplicada ao time feminino que tem várias atletas espalhadas pelo mundo.

A iniciativa partiu do presidente da Federação de Vôlei, Ariel Sainz, que tem como meta principal classificar Cuba para a Olimpíada do Japão em 2020.

Só aqueles que optaram em mudar de cidadania não terão a chance de voltar, casos de Osmany Juantorena, Wilfredo Leon e Yoandy Leal. Os 3 nunca mais poderão jogar por Cuba.

O primeiro beneficiado da nova regra deverá ser o central Robertlandy Simon, hoje atuando pelo Lube Civitanova, da Itália.