Depois do Sesc, Rio escancara crise com Flamengo e Fluminense na estaca zero

Depois do Sesc, Rio escancara crise com Flamengo e Fluminense na estaca zero

Bruno Voloch

08 de abril de 2020 | 08h33

Se o Rio, de Bernardinho, teve corte de 50% do orçamento, não conseguirá segurar sua principal jogadora e terá um time modesto na próxima temporada, que dirá os rivais no estado.

As perspectivas não são boas.

O torcedor do Flamengo andou se iludindo com notícias que circularam nos bastidores. O blog apurou que jamais foi cogitada a possibilidade do clube aumentar o investimento. O tema sequer foi ventilado.

Diante do cenário atual, se conseguir manter o padrão da temporada passada, quando lutou até as últimas rodadas contra o rebaixamento, já será uma vitória.

Oficialmente, conforme o blog antecipou, apenas a levantadora María Victoria Mayer está fora e acertada com a Itália. O resto tem contrato até maio.

No caso do Fluminense, falta mesmo ambição, muito embora a realidade financeira não seja muito diferente do Flamengo.

O técnico Hylmer Dias deverá ser mantido, ou seja, não muda literalmente nada. O time não sairá do lugar. Vai continuar no mercado trocando como sempre seis por meia dúzia.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.