Descontrole do coronavírus afasta Laura Partenio do BRASIL: ‘Tenho uma filha de 2 anos e seria muito perigoso’

Descontrole do coronavírus afasta Laura Partenio do BRASIL: ‘Tenho uma filha de 2 anos e seria muito perigoso’

Bruno Voloch

01 de julho de 2020 | 08h40

Há 3 meses, em abril mais precisamente, o blog antecipava as negociações entre a italiana Laura Partenio e Bauru.

A contratação era dada como certa.

Só que a situação fugiu das mãos do clube paulista. Com a pandemia do coronavírus completamente fora de controle, Laura recuou e desistiu da transferência abrindo mão da proposta:

‘Eu gostaria muito de jogar no BRASIL. Recebi o convite de Bauru e estava feliz com a possibilidade de viver uma experiência diferente na minha vida pessoal e profissional. Mas tenho uma filha de 2 anos. Ela e meu marido iriam viajar comigo. O problema é a pandemia do coronavírus. Nossa filha é um bebê ainda e seria muito perigoso’.

Não foi agora, mas Laura não descarta jogar no BRASIL um dia:

‘Ainda tenho esse desejo e espero poder realizar. Gostaria muito de jogar uma temporada no BRASIL’.

A jogadora explica como tem sido sua rotina na Itália, país que dá sinais de ter superado o pior:

‘A gente pode treinar mas tomando os devidos cuidados. Máscara, distanciamento, controle de temperatura e cada uma com seu álcool em gel’.

Laura Partenio assinou com Casalmaggiore.

A atleta diz que existe um planejamento para começar a temporada em setembro. Ela acha arriscado:

‘Temos ainda 16.500 pessoas infectadas. Acho sinceramente precipitado’.

Laura está ciente da nova realidade do vôlei quando efetivamente começar a temporada 2020/21:

‘É uma tendência mundial e na Itália não seria diferente. Jogos sem público. Vamos ter que nos acostumar com esse cenário’.

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: