‘DesLealdade’ no Ibirapuera. Dá-lhe, CBV!

‘DesLealdade’ no Ibirapuera. Dá-lhe, CBV!

Bruno Voloch

28 de abril de 2018 | 19h09

Está explicado porque o Sesi usou todos os artifícios possíveis para derrubar o Cruzeiro.

Na bola, o time paulista sabia que não teria jeito. Pela quarta vez seguida na temporada, o Cruzeiro ganhou e deixou para comemorar o hexacampeonato em casa após fazer 3 a 2.

A frustrada tentativa de tirar Leal da decisão só não foi pior do que o apagão do lance que acabaria determinando a vitória do Sesi no quarto set.

A imagem, solicitada pelo Cruzeiro, simplesmente não foi exibida. O video challenge, inacreditavelmente, desapareceu do telão do ginásio.

Estranho não?

E ficaria ainda pior.

Sesi e Cruzeiro jogaram boa parte do quinto set sem placar. Nem jogo de várzea é assim.

Lastimável.

Ainda bem que o Cruzeiro não precisou da bola do quarto set para vencer.

No tie-break, como de hábito, o Sesi deu aquela encolhida de mão básica e aceitou a derrota. Destaque para o levantador Uriarte no bloqueio.

O ponto final tinha que sair das mãos de Leal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: