Disposição x Acomodação. O sobe e desce e nomes esquecidos na frustrante VNL.

Disposição x Acomodação. O sobe e desce e nomes esquecidos na frustrante VNL.

Bruno Voloch

15 de julho de 2019 | 09h26

Limpar parte da comissão técnica, repensar algumas posições e confirmar determinadas apostas.

Esse será o trabalho de Renan Dal Zotto a partir de hoje após o frustrante quarto lugar na VNL.

O oposto Alan, o levantador Cachopa, o central Flávio e o líbero Maique aprovaram. Foram testados e corresponderam com desempenho acima do esperado.

Nomes consagrados como Bruno e Lucão não. O primeiro chegou no meio da competição, parecia deslocado e sem a mesma disposição do passado. O segundo idem. Mexer com um deles porém é delicado, que dirá com os dois.

Não se discute a importância deles no contexto, mas as ausências de Rapha e William soam estranho nesse processo. Os dois foram os protagonistas da Superliga com Rapha levando a melhor sendo dirigido pelo próprio Renan. Inscritos, não foram usados.

A Copa do Mundo seria ideal para Renan descansar os ‘senadores’ e testar o grupo sem eles.

Douglas Souza e Thales perderam pontos.

É o caso de questionar a ausência de Thiago Brendle, outro estranhamente preterido por Renan.

Lucarelli foi o melhor jogador do BRASIL na VNL.

O mesmo não dá para dizer de Wallace outro que não se pode discutir o talento e a importância mas que parece desgastado fisicamente. Deveria também ser preservado para 2020.

O desconforto de Leal é nítido. É algo que precisa ser corrigido, caso contrário Renan terá mais problemas do que solução. Jogar com dois ponteiros de força, sem passadores, nunca foi a característica do vôlei brasileiro.

Maurício Borges é outro que precisa recuperar a forma física.

No meio a seleção sentiu a ausência de Maurício Souza.

Isac esteve irregular e Éder pouco ajudou.

 

 

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: