É mais fácil não ter Superliga do que Taubaté ficar fora

É mais fácil não ter Superliga do que Taubaté ficar fora

Bruno Voloch

16 de julho de 2020 | 10h28

Pode cravar: Taubaté jogará normalmente a Superliga.

É mais fácil não ter Superliga do que o atual campeão ficar fora.

Taubaté zerou praticamente todas as pendências financeiras que tinha com parte do elenco. A diferença para o caso de Curitiba é que com a assinatura dos envolvidos.

Grande diferença.

A única exceção é Leandro Vissoto. O jogador, educadamente como sempre, disse ao blog que prefere não se manifestar.

A distância não é pequena.

O procurador do atleta, Guilherme Santos terá que intermediar e se vê na obrigação a encontrar uma solução para o caso. Felipe Roque e principalmente Bruno, contratados recentemente, passariam a correr risco, ou seja, a operação não seria vantajosa em termos gerais caso Vissoto se mantenha irredutível.

Em todo caso, se não houver acordo até dia 20, primeira data estipulada pela CBV, o torcedor não deve se preocupar. Até onde o blog apurou, Taubaté já tem plano B.

Mas não será necessário acionar a Justiça.

A CBV, pressionada pela comissão técnica da seleção brasileira, não cogita a possibilidade de perder Taubaté e ver quase metade da seleção desempregada e parada.

Taubaté marcou para dia 3 de agosto a apresentação do elenco. A data porém pode ser alterada em função da pandemia na cidade.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: