‘É merecimento, mas ninguém esperava’, diz Isabela Paquiardi, sobre terceiro lugar de Curitiba.

‘É merecimento, mas ninguém esperava’, diz Isabela Paquiardi, sobre terceiro lugar de Curitiba.

Bruno Voloch

20 de dezembro de 2018 | 08h40

Dá para afirmar que Isabela Paquiardi se encontrou em Curitiba.

Aos 26 anos, ela admite nessa conversa com o blog, que vive o melhor momento da carreira. E não é para menos. O time do Curitiba é a sensação da Superliga e ocupa a terceira colocação deixando para trás Rio e Osasco na classificação.

Paulista, nascida em Birigui, tem passagens por São Caetano, Sesi e Praia Clube. Ponteira passadora, Isabela frequentou as seleções de base do BRASIL. Como o momento é obrigatoriamente de renovação, especialmente após o fracasso no mundial do Japão, a jogadora não cria expectativa e diz que uma convocação será consequência do trabalho no clube.

Como explicar a surpreendente campanha da Curitiba até agora na Superliga?

Difícil explicar. É uma emoção sem fim porque desde o momento que chegamos aqui trabalhamos duro, isso tudo que estamos vivendo é merecimento. A gente sabe que não vivemos só de vitórias e que tenhamos forças sempre para sair também das adversidades. Acreditar todos os dias.

Sinceramente, vocês esperavam estar ocupando a terceira colocação depois de mais de 50% do primeiro turno disputado?

Ninguém esperava estar ocupando essa posição. Sabemos que o campeonato é longo, pés no chão e trabalhar mais e mais.

A Isabela vive o melhor momento da carreira dela?

Sim, eu vivo sim.

Você já teve oportunidades em jogar em grandes clubes tradicionais e hoje defende Curitiba, recém promovido da Superliga B. Qual a diferença?

Para mim não existe diferença, em qualquer lugar que eu trabalhe tenho que dar o meu melhor, estar sempre à disposição e agarrar cada oportunidade dada.

Hoje existe uma grande carência em encontrar ponteiras passadoras. A seleção feminina clama por renovação, você se encaixa nesse perfil?

Eu não sei se me encaixo, minha função é passar, tenho crescido nesse fundamento, ir para seleção é consequência.

Você acha que teve as oportunidades merecidas ou não tiveram paciência com você no passado?

Sempre tive oportunidades, passamos por fases e amadurecimento, talvez não estivesse pronta para algumas e ainda tenho muito que aprender. Era mais nova, não tinha tanto amadurecimento e a experiência que tenho agora. Aproveitei todas da melhor forma.
Não acredito que não tiveram paciência comigo. Sempre que puderam me deram oportunidades e agarrei. Acho que tudo é tempo.
Crescimento.