‘É o maior desafio da minha carreira’, diz Bruninha, sobre jogar em time grande e no ‘bicho-papão’ Minas.

‘É o maior desafio da minha carreira’, diz Bruninha, sobre jogar em time grande e no ‘bicho-papão’ Minas.

Bruno Voloch

27 de abril de 2018 | 09h42

O Minas foi buscar em São Paulo a levantadora que fará dupla com Macris para a próxima temporada. A jovem e promissora Bruninha, 23 anos, sai da zona de conforto, deixa o Pinheiros e vai em busca de novos desafios.

A jogadora conversou com o blog.

Bruninha, com passagem por Valinhos, irá jogar pela primeira vez em time grande. A cobrança no Minas, especialmente após as contratações de Gabizinha e Natália, será enorme.

Acima da média.

Bruninha nega que a chegada de Lyara ao Pinheiros tenha sido o motivo de sua saída, elogia Macris, admite que possa existir preconceito por causa da baixa estatura para o esporte, mas enxerga a situação como estímulo.

A contratação da Lyara colaborou para sua decisão de deixar o Pinheiros?

Não, de forma alguma.

Você acha que faltou confiança da comissão técnica para sua permanência?

Não. Eu analisei a proposta do ECP e outras que chegaram e decidimos por aceitar a que entendemos ser a melhor para minha carreira.

Sua relação com a Lyara nas seleções de base não era boa. Isso influenciou?

Minha relação com ela é ótima. Somos duas levantadoras da nova geração e buscamos nosso espaço no mercado. Uma disputa saudável.

Por que a opção pelo Minas?

É um grande clube, assim como ECP. Além disso quero muito aprender com a Macris que é uma levantadora com estilo de jogo parecido com o meu e tenho como espelho.

A baixa estatura (1,70m) para levantadora servia como desculpa para não efetivar você como titular?

Este é e será o grande desafio da minha carreira. Mas tenho consciência de que preciso ser uma levantadora completa. Se eu quiser ocupar espaço no mercado esta não pode ser uma desculpa mas sim um estímulo.

Esses comentários incomodam você?

Não incomodam, servem de estímulo também.

Existe preconceito, Bruninha?

Pode existir, mas prefiro não dar atenção a isso. Não vai tirar meu foco.

Sua personalidade sempre chamou atenção dentro e fora de quadra. Por quê?

Minha família, meus técnicos e as barreiras que tive que ultrapassar foram forjando minha personalidade. Acredito muito no meu trabalho, eu sei muito bem o que quero e onde quero chegar. Acredito que esse seja o primeiro passo pra me tornar um grande atleta. Eu amo o que eu faço e me entrego de corpo e alma a esse esporte. Tenho muita fé em Deus e sei que ele guia meu caminho. Tem muita gente que me deu apoio para eu ter essa força interna. Minha gratidão é toda para essas pessoas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: