Ellen, enfim titular, confessa: ‘Eu senti e sabia que o Paulinho confiava em mim’.

Ellen, enfim titular, confessa: ‘Eu senti e sabia que o Paulinho confiava em mim’.

Bruno Voloch

14 de fevereiro de 2018 | 11h30

‘Vai jogar quem estiver melhor’.

A declaração de Paulo Coco assim que foi apresentado ao Praia Clube deixava claro que a filosofia seria diferente das temporadas anteriores. E assim foi.

Invicto na Superliga, o time luta diretamente contra o Rio para ser primeiro colocado ao fim da fase de classificação. A vantagem já foi bem mais confortável.

O blog conversou com a ponta Ellen que retrata exatamente o que disse o técnico. A jogadora, que está no segundo ano de Praia, não se deixou abalar pelas contratações.

Esperou pacientemente pela oportunidade, trabalhou pesado, não perdeu a motivação e atendeu as necessidades do time quando foi chamada pelo treinador.

O resultado era aquele já esperado. Era questão de tempo. Ellen barrou Amanda, assumiu a posição de titular na hora mais importante do campeonato e mostrou seu valor.

Quais as principais virtudes do Praia na Superliga?

Sem duvida uma das principais virtudes é o grupo. Todas se ajudam ali dentro, todas se respeitam. Temos 15 meninas com total chance de entrar e fazer a diferença em qualquer fase do campeonato. Acredito que somos o melhor time da Superliga no papel, mas só no papel não ganha jogo, por isso friso a importância de sermos um grupo. Além disso não adianta nada ter um time desses se não temos alguém que saiba comandar bem, portanto outra virtude do Praia nessa temporada é sem duvidas Paulo Coco. Ele tem muita autoridade e pulso firme pra comandar todas nós, coisa que é difícil ver em alguns técnicos. Treinar 15 mulheres dessas não é tarefa fácil.

E o peso da invencibilidade na competição?

Não acredito que tenha algum peso essa invencibilidade. Vejo como uma vantagem na verdade. Se vier alguma derrota na Superliga estaremos preparadas para reverte-la. Temos mais 2 jogos da fase classificatória pesados e importantes pela frente, estamos cientes que podemos não sair com a vitória em todos eles, mesmo assim a preparação e foco em serão os mesmos: entramos pra vencer. Vamos um passo de cada vez, um jogo de cada vez.

E como funciona essa pressão pelo fato do Praia nunca ter vencido nada?

Não chamaria de pressão e sim de chance. Procuro sempre ser otimista. Esse ano temos essa chance em nossas mãos. Podemos fazer história já que o clube não tem nenhum título. Só depende de nós, acredito nesse time.

Como a derrota, outra em final, na Copa Brasil repercutiu entre as jogadoras?

Ficamos tristes com a derrota na Copa Brasil, não foi fácil. Mas a Superliga já estava ali batendo a nossa porta e tivemos que nos recuperar rápido. Hoje sabemos o gosto da derrota e da vitória. Depois disso estamos preparadas para as quedas que poderão acontecer. Serviu para nosso crescimento.

Para a Ellen em especial como foi recuperar a posição de titular?

Há uns 5 jogos comecei jogando, não acredito que tenha conquistado já esse lugar. Tem sido bom ganhar ritmo de jogo. É muito difícil ficar tanto tempo sem jogar e ter que entrar em algum jogo para decidir. Fico feliz por muitas meninas poderem ganhar esse ritmo em jogos classificatórios, dessa forma quando precisarmos de todas estaremos prontas e preparadas para fazer a diferença e ajudar o time. Os playoffs estão chegando e precisaremos de todas no ápice.

Quando e como a Ellen ganhou a confiança do Paulo Coco?

Não penso que ganhei a confiança do Paulinho, na verdade desde o começo da temporada eu sentia e sabia o quanto ele confiava em mim. Ele demonstrava e também dizia isso. Sempre me esforcei muito nos treinos pra mostrar que estava lá pronta para tudo. Mas não teve muitas oportunidades para ele usar o banco. Fê Garay e Amanda foram impecáveis, tanto que ficamos invictas. Acredito que agora ele optou por um ataque com um pouco mais de eficiência do que um fundo de quadra muito melhor. Sei das minhas deficiências de passe e defesa, preciso melhorar muito ainda, tenho me esforçado para ser uma jogadora mais completa, o time precisa disso. Mesmo assim estou muito feliz pela oportunidade de estar em quadra e poder sem útil.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: